terça-feira, 18 de junho de 2013

[OFF] Protestos

Se você não vive em uma bolha sem contato com o mundo, então com certeza você está informado sobre o que está acontecendo no Brasil. 
Há uma série de protestos em diversas cidades do Brasil, inicialmente desencadeados pelo aumento de R$0,20 na passagem de ônibus em São Paulo. Sinceramente eu não imaginava que o protesto de São Paulo desencadearia diversos outros em diversas cidades brasileiras. O que era uma manifestação contra o aumento de R$0,20 na passagem de ônibus se transformou em insatisfação contra a corrupção, picuinhas no Congresso, proposta de emenda constitucional absurdas, alto custo de vida, gastos faraônicos nos estádios e o de sempre, falta de atenção à saúde a à educação.

Particularmente sou a favor da causa. Todos temos o direto de realizar reuniões em forma de protesto, independente do motivo e desde que seja pacífico.
Ando acompanhando diversos comentários contra estas manifestações.
Um deles é o vandalismo que estamos acompanhando pela televisão. Primeiro precisamos entender que é quase impossível haver uma série de pessoas indignadas com uma situação que quando reunidas em um número considerável hajam em de forma complemente ordeira. Sempre haverá uma minoria que promoverá a baderna. Duvido até que 100% dos manifestantes que seguiam as ideologias de Mahatma Gandhi agiam de forma pacífica. Pelo que percebi, no primeiro dia de manifestação, a mídia deu uma grande ênfase a esta minoria. Só que quando seus jornalistas foram atingidos pela polícia, o tom mudou. Mesmo assim, entre um grande grupo que procura agir de forma correta e uma minoria que depreda e dasafia a polícia, eu, se fosse jornalista, iria dar uma maior atenção à minoria. Sem sombra de dúvidas. É nessas horas que devemos ter senso crítico em relação a informação parcial da televisão. Se todo um grupo de 60 mil pessoas realmente tivesse a intenção de provocar um onda de vandalismo, eles fariam muito mais do que pichar alguns muros e quebrar alguns vidros. Mesmo assim, ainda há muita gente que apoia uma manifestação mais enérgica por parte da população.

Outra crítica é em relação aos vinte centavos de aumento. Ora bolas, mesmo que fosse apenas isso, isso não invalida o direito de manifestação. É muito fácil alguém com a barriguinha cheia tirar sarro na frente de seu monitor LCD dizendo que os 20 centavos é muito pouco. Para um trabalhador que dedica 22 dias de trabalho mensais, duas conduções por dia, seria uma diferença de R$8,80 por mês. Para mim não faria muita diferença, pois ganho bem em comparação com a maioria da população. Mas para algumas pessoas fará sim uma grande diferença. E não venha com a historinha de que quem paga a condução será o empresário. Primeiro porque as pessoas não utilizam ônibus apenas para trabalhar. Segundo porque todo e qualquer aumento nos custos da empresa são repassados para a população com o aumento dos produtos e dos serviços. E não venha com a historinha de que o aumento foi necessário para acompanhar a inflação. Faça um acompanhamento histórico da inflação desde que ela foi “estabilizada” e você perceberá que o aumento das passagens foi muito maior do que a inflação. A qualidade do transporte está precária, com lotação e demora dos ônibus. Se uma pessoa acha que o preço não condiz com a qualidade do serviço, ela tem seu direito de protestar. Nem vou entrar no mérito dessas empresas de ônibus serem um oligopólio. E já sabemos que o objetivo do protesto já evoluiu muito mais do que estes vinte centavos, então ficar citando os vinte centavos para tentar descaracterizar o protesto não faz o menor sentido.

O que vejo comentando muito por aí também é a defesa da polícia, que “tem que descer o cacete nesses vagabundos”. Eu não sei se este tipo de pessoa já precisou utilizar o serviço policial. Eu mesmo já cansei de ver policial dando cavalo de pau com as viaturas, andando na contramão, cortando ruas em locais onde não se deveria, abusando de sua autoridade, e por aí vai. Isso sem falar nos casos de corrupção. Taxar o policial como defensor da ordem é fantasioso. Muitas vezes o defensor da ordem é o primeiro a quebrá-la. O defensor da ordem deve defendê-la não apenas nos protestos, mas também no seu dia a dia. Isso não é uma luta entre o bem e o mal nem filme de guerra das estrelas. É um conflito de interesses, onde de um lado está um grupo de pessoas indignadas com a situação do país, e do outro está o Estado utilizando a polícia como mão autoritária. Enquanto os manifestantes querem mudança, o Estado quer a manutenção. Lembrando que a polícia não é o alvo dos protestos, mas sim a situação banal que o país se encontra. Há os bons policiais, assim como há os bons manifestantes.


Vi muita gente fazendo chacota dos protestantes, chamando-os de comunistas e que seria melhor eles se dirigirem para Cuba. Esse tipo de gente é o mesmo tipo que chama os brasileiros de acomodados. Reclamam quando o brasileiro não faz nada, e reclamam quando o brasileiro tenta fazer alguma coisa. Este é o mesmo tipo de gente que no máximo participa de um abaixo assinado ridículo e insignificante do Avaaz, que em nada vai mudar. Não interessa dizer que não houve protestos quando o Brasil foi escolhido como sede da Copa ou quando saiu o escândalo do mensalão. Não interessa dizer que nossos governantes foram escolhido pela maioria. Nada disso invalida uma revolta. O que acho engraçado é que os mesmos intelectualóides que reclamam que o Brasil é um país sem futuro e que tudo está perdido são os primeiros a reclamar quando alguém se mobiliza para fazer algo. Se não fossem as manifestações, estaríamos ainda na idade média, dominada pelo alto clero da Igreja, com algum Rei absolutista no poder por causa de seu Direito Divino.
O governo está numa sinuca de bico. A começar por São Paulo, baixar a tarifa dos ônibus encorajaria as pessoas a fazerem mais protestos quando estiverem insatisfeitas com algo. Não baixar a tarifa significaria manter a insatisfação ou talvez aumentá-la. Resta ao governo mantê-las e contar com o tempo a seu favor, que tenderá a baixar a poeira da situação. Mesmo assim, eles pensarão muito bem antes de aumentar a tarifa no futuro. No âmbito nacional, às vésperas da votação da ridícula PEC 37, poderia significar um tiro no pé se eles votassem a favor. O que testemunhamos nos últimos dias é a fragilidade do Estado perante a população, que ainda se reuniu em uma quantidade pequena. A única forma do Estado tentar manter o controle é utilizando armamento mais pesado, o que chamaria maior atenção da mídia internacional.


Nunca pensei que veria isso no Brasil. Mesmo que uma minoria faça baderna, mesmo que o início tenha sido deflagrado por causa de 20 centavos, nunca pensei que veria brasileiros reunidos para algum objetivo em plena época de jogos da seleção de futebol. Claro que isso não significa que o Brasil mudou e que agora em diante teremos um padrão de vida comparável ao da Suíça, mas pelo menos é um aviso aos nossos governantes de que eles não são tão intocáveis quanto eles pensam.
Vou participar dessas passeatas para ter uma opinião melhor do que a interpretação da mídia. Convido-o para participar também. Saia da sua zona de conforto e aumente o número de manifestantes pacíficos. Para quem quiser participar, veja no link abaixo em qual data acontecerá na sua cidade:

Sinceramente não tenho ideia de qual será o resultado disso. Pode ser que já no mês que vem o Brasil volte à sua “normalidade”. Pode ser que alguma organização tente tomar as rédeas para se beneficiar, deturpando a reivindicação original. Pode ser que dure mais tempo ou quem sabe outros países limítrofes façam o mesmo, numa espécie de primavera Latina. Pelo que estou entendendo, estas manifestações ainda não possuem um objetivo claro e definido, apenas superficial. Não sabemos como será o desenrolar disso. Mas chega de reclamões de internet. O país já está cheio de pessoas especialistas em apontar o defeito das coisas.

21 comentários:

  1. Magnífica manifestação, prezado ADP.

    Em que pese a população não ter a adequada concatenação de ideias, os motivos verdadeiros são o seguinte:

    CUSTO e LUCRO Brasil.

    - Imóveis com preços na extratosfera, para alimentar os bolsos milionários e/ou bilionários dos construtores, que ficam alardeando MENTIRAS de que o custo é altíssimo;

    - Carros com preços altíssimos, sendo que o governo protege essa maldita indústria com altíssimo protecionismo.

    Tudo isso é devido a péssima forma de intervenção desse Estado patético na economia, que privilegia setores BILIONÁRIOS.

    Se o Brasil fosse verdadeiramente capitalista as intervenções seriam mínimas, para proteção daqueles verdadeiramente produtivos.

    ResponderExcluir
  2. Queremos o seguinte:

    - Fora assistencialismo;

    - Corte da metade dos ministérios e de seus CCs, bem como drástica diminuição de políticos (os incompetentes que não fizeram concurso);

    - Transformação de TODAS as remunerações de TODOS os servidores do Brasil em SUBSÍDIO, para evitar salários acima de um ministro do STF;

    - Zerar o IPI para estímulo da competitividade;

    - Zerar o crédito imobiliário pois os canalhas do ramo se aproveitam da ignorância do povo para aumentar os preços;

    - Zerar com o crédito e o protecionismo para o ramo automotivo.

    Vamos produzir e não roubar via protecionismo, empresas incompetentes.

    ResponderExcluir
  3. Infelizmente AdP, estou localizado longe de qualquer protesto, mas acompanhei ontem tudo pelo twitter, facebook...Fazia tempo que não ficava tão empolgado em acompanhar um evento( Larguei futebol faz anos, pra mim tudo é comprado, seja evento nacional e internacional...Prefiro Rugby ;P )!
    Uma coisa que reparei pelo meu circulo social no FB, foi a falta de interesse da galera que enquadraria como "nova" classe media e os pobres mesmo, ontem podia começar uma guerra que eles não estavam nem ai, ao contrario da turma da classe media pra cima. Inclusive um amigo meu brincou dizendo, deviam ter espalhado aquela mentira do fim da bolsa família ontem(domingo(, hj(segunda) ia ter 3x mais gente na rua! Sad, but true!

    Eu não sei se essa PEC 37 tem haver tb com uma nova emenda em que os políticos vão poder revogar as decisões do Supremo, inclusive, as condenações do mensalão e etc...Tipo, Deputados, Vereadores e Senadores tão d+, pior que (a falta de vergonha) o executivo. Muito se fala que ano que vem é que temos que nos manifestar, na urna...mas mudar pra Onde? Dilma ou Aécio? Eduardo Campos? Esse cara quando foi Sec. da Fazenda faliu o estado...e as opções de governadores / senadores e deputados? Vc não sabe qual é o pior, ou menos pior!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A melhor opção dever os manifestantes, que governarão sem oposição e sem polícia. É tudo que se quer. Uma palavra só.

      Excluir
  4. Sei o que queremos: bolsa-Iphone, bolsa-Lacoste, bolsa-viagem p/ exterior. Os que protestam, em sua maioria, andam de carro, são playboys, fumam maconha, usam o Hospital Albert Einstein, estudam em Harvard. Assim, é fácil. Filma eu também, Galvão!

    ResponderExcluir
  5. Milha reclamação é contra a segurança pública, que não consegue reprimir a manifestação. Send the troops.

    ResponderExcluir
  6. A mudança diária - a que leva tempo - ninguém quer fazer: respeitar os idosos, não ser racistas, não discriminar pobres, não dirigir alcoolizado, não fazer jeitinho, não furar fila, não usar celular ao dirigir, usar cinto de segurança, esperar a bosta do avião estacionar antes de levantar da cadeira, dar preferência aos deficientes, não usar as vagas reservadas...

    Isso é muito chato. Melhor quebrar tudo. Enquanto a matéria-prima for tosca, não haverá mudança que não seja representada pela total inépcia. Como sempre.

    ResponderExcluir
  7. Garanto que ninguém sabe ou leu qualquer coisa a respeito da PEC 37. O povão disse: "seja contra". A manada concordou. Melhor que ser contra a PEC 37 é melhor ser contrário ao MP, que muito pouco faz, já que os promotores e procuradores estão apenas interessados em promoções e aumento de salários. Piada. O problema do Brasil é o povinho.

    ResponderExcluir
  8. parabens pelo texto

    peço licença pra copiar

    ResponderExcluir
  9. Prezado adp seu post é muito ponderado.

    Parabéns pelo texto.

    ResponderExcluir
  10. São tantas coisas para serem feitas no Brasil, q não sei nem por onde começar... difícil achar alguma coisa "certa" por aki...

    []s!

    ResponderExcluir
  11. Se todo mundo partilhasse da mesma opinião que vc AdP... Infelizmente nesses últimos dias tenho me mantido longe do facebook pra não ler tanta merd@ ridícula escrita por pseudo-intelectual e manifestante de granja, uns criticando os outros. Amanhã tem protesto aqui na minha cidade, e eu vou pra rua! :D
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  12. Parabéns pelo texto e pela abordagem do tema. Apenas por rigor aos fatos, fica o esclarecimento de que os movimentos pelo reajuste de passagens de ônibus iniciaram em Porto Alegre, seguindo-se para Goiânia e Natal. Posteriormente, chegaram a São Paulo, Rio de Janeiro e o resto do país. Excelente o site! Abs.

    ResponderExcluir
  13. Acho que os partidos políticos perderam o contato direto com o povo, mesmo o PT, que sempre teve uma base militante e que agora esta´perdido sem saber o que fazer.
    Quanto ás manifestações, são válidas, lógico e conseguiram a redução da tarifa. A questão agora é: para onde vão?
    Colegas aqui propuseram zerar o crédito imobiliário, o que iria aumentar muito o desemprego, já não haveria demanda. O preço cairia sem dúvida, mas uma das lutas árduas foi para que o crédito imobiliário crescesse (inclusive com mudança de legislação , para dar segurança às construtoras.
    Outros colegas falam de zerar IPI para aumentar a competitividade na indústria automotiva. A indústria está investindo pesado, várias multinacionais estão investindo em novas plantas, com o aumento do imposto de importação. Este negócio de intervenção mínima do estado deu no que deu na Europa e EUA, com os bancos levando uma grana e no fim a falta de intervenção fez os países bancarem os bancos quebrados com suas políticas de só ganhar e o povo acabou pagando a conta de uma forma pior ainda ( a tal de austeridade).
    O estado tem o dever de intervir, regular e fiscalizar sim, todas as atividades. Se fosse assim, só teríamos banda larga no eixo são paulo - rio, apesar que em alguns estados parece que não existe, fruto de uma privatização mal feita, que privilegiou a livre iniciativa e a deixou livre mesmo. Até para fornecer um péssimo serviço.

    ResponderExcluir
  14. Parabéns ADP!
    Todo apoio às manifestações e à mudança do país é extremamente válida! Agora que começamos não podemos parar!

    #vemprarua

    ResponderExcluir
  15. Fala ADP,

    Como sempre, ótimo raciocínio...
    Tomara que tudo isso resulte em algo a MP ou LP...
    A CP as coisas vão é ficar mais russas ainda...
    Vamos acompanhando pra ver onde pode parar.

    Se puder, da uma passada lá na minha Carteira Virtual: www.pobrepoupador.com

    Forte abraço!

    ResponderExcluir
  16. Bom dia! Gostaria de me apresentar como Nordestino Aloprado. Estou iniciando hoje meu blog na blogosfera dos amanantes por investimentos. Abraços!

    ResponderExcluir
  17. Acho muito boa as manifestações.

    Eu participei de uma caminhada aqui em Natal. ACho que todos devem abraçar esta causa que já entrou para a história.

    Abraço a todos!

    ResponderExcluir
  18. Parabéns pelo texto, realmente o que mais tem por aqui é gente que reclama do Brasil. Muito bem, na hora que o povo se mobiliza o que o reclamão faz? Reclama de quem se mobiliza! O Poder emana do povo, nossos políticos tinham se esquecido disso, quem participou dos protestos está de parabéns, o povo manda o governo obedece!

    ResponderExcluir

Anônimos, contribuem e deixem um nome para que seja possível outras pessoas fazerem referências, estabelecendo melhor a troca de ideias. Educação é sempre bem vista.
Mensagens de trolls serão moderadas.