terça-feira, 12 de maio de 2015

Simulação de modalidades de aportes – CIEL3

Esta série dedica-se à simulação da estratégia de compras periódicas de ações, ETF e fundos imobiliários, utilizando dados reais. Sua finalidade é a análise dos resultados finais da simulação, de forma a contribuir para o aprimoramento de estratégias individuais. Você poderá acessar as diversas simulações já feitas clicando AQUI.
Desta vez tem-se como propósito testar diversas formas de aportes em ações de uma empresa que está há anos em uma clara tendência de alta. A Cielo é empresa líder do setor de captura, transmissão e liquidação financeira de transações com cartões de crédito na América Latina. Nos últimos anos vem batendo recordes de lucratividade, refletindo em generosos retornos a seus 15 mil acionistas.

Nesta simulação, vamos supor que um grupo de amigos investidores ficou entusiasmado com a abertura de capital da Visanet (atual Cielo). Todos decidiram comprar periodicamente ações da empresa, mas cada um optou utilizar uma estratégia diferente de aporte:
Amigo A – Vou realizar a estratégia de aportes trimestrais para comprar ações da empresa independentemente de seu preço. Aportarei o quinhentão mensal, ou R$1.500 por trimestre.
Amigo B – Vou realizar a técnica dos aportes dobrados. Sempre que a ação se valorizar em um trimestre, aportarei metade do que aportei antes. E sempre que uma ação se desvalorizar em um trimestre, aportarei o dobro do que aportei antes. Para estabelecer limites de aporte, as faixas máximas e mínimas são R$5.400 e R$100.
Amigo C – Minha técnica é exatamente o oposto da estratégia do amigo B. Chamo-a de aportes dobrados inversos. Quando a ação sobre, eu dobro meu aporte. Quando a ação cai, corto-o pela metade. Os limites de aporte são os mesmos do amigo B.
Amigo D – Vou aplicar o método de alocação de ativos. Quero uma carteira equilibrada, onde 50% serão de ações da empresa e 50% estará em uma renda fixa que me rende 0,7% líquido ao mês. O equilíbrio será feito por meio de aportes, que serão feitos naquele ativo que estiver abaixo de 50%.

Será que a simples mudança da forma de aportar apresentará uma mudança significativa no resultado final entre os amigos, haja vista que todos estão investindo na mesma empresa? Veremos na simulação.

Além da descrição de como os aportes serão feitos, adotaremos também as seguintes regras:
-A simulação é iniciada em julho de 2009 e será finalizada em abril de 2015.
-Os investidores realizaram aportes trimestrais.
-Os dividendos e JSCP recebidos serão acumulados por três meses, de forma a coincidir com a compra trimestral. Os JSCP terão a sua retenção normal de 15% de imposto de renda.
-As compras são realizadas no preço de abertura no primeiro dia de cada trimestre (primeiro dia útil de janeiro, abril, julho e outubro).
-A cotação utilizada na simulação é a cotação de época, não ajustada.
-Os investidores decidiram com seus corretores para que eles comprem o máximo de ações de CIEL3 possível, utilizando seu dinheiro em caixa (aportes + proventos). Nessas compras, será cobrada uma taxa de corretagem de 20 reais.
-Todos os dados utilizados para a simulação (dividendos, JSCP, cotação, desdobramentos, etc) foram retirados da Bovespa.

Nesta simulação, compararemos os resultados nos quesitos patrimônio final, dividendos recebidos e rentabilidade. Vamos lá?

Patrimônio final
Abaixo está um gráfico que apresenta o aporte aplicado em todo o período e o patrimônio final de cada estratégia de aporte.

Observem que o aporte realizado pelas estratégias de aportes mensais, aporte dobrado e alocação de ativos é virtualmente o mesmo. Já na estratégia de "aporte dobrado inverso", seu aporte foi maior que os dos demais, isso porque esta estratégia aumenta o aporte quanto mais a ação sobe, que é perfeitamente o caso da Cielo.
Quanto ao patrimônio,  pode-se observar o menor valor para a alocação de ativos. Isso faz sentido pois nesta estratégia, o investidor trocou alguns de seus aportes em Cielo (que deu um retorno considerável) por uma aplicação meia boca em renda fixa. Como a Cielo subiu muito, nosso investidor fez apenas 7 aportes em Cielo, contra 17 na renda fixa.
O patrimônio que claramente se destaca é o do método dos aportes dobrados. Ele mostrou-se 52% superior ao do 2º colocado, o método de aportes constantes. Isso porque o investidor que escolheu esta estratégia comprava muito mais ações nos períodos de baixa e menos ações nos períodos de alta. Mesmo para uma ação como a Cielo, com forte tendência de alta, possui também seus momentos de depressão. No caso do investidor, ele aportou com gosto nos anos de 2010 e 2011, aportando menos nos períodos subsequentes. Incrível como uma simples mudança no método de aporte em uma empresa muda completamente o valor do patrimônio final!
O patrimônio do método de "aporte dobrado inverso" não mostrou-se muito eficaz, ainda mais considerando que o investidor aportou cerca de 47% a mais que os demais amigos.


O gráfico acima mostra a evolução do patrimônio ao longo do tempo.
Podemos observar que praticamente em todo período a estratégia de aporte dobrado mostrou-se bem superior às demais. Outra observação é que em metade do período a estratégia de aportes mensais competiu ferozmente com a estratégia de alocação de ativos, mas acabou mostrando força no restante do período. Já a estratégia de "aporte dobrado inverso" foi perdedora em quase todo o período, mostrando força apenas nos últimos 12 meses.

Dividendos
O gráfico mostra os dividendos acumulados por cada investidor em todo o período:

Mais uma vez a estratégia de aporte dobrado destoou-se positivamente das demais. Os proventos recebidos foram 30% maiores que o do segundo colocado e um pouco menos que o dobro do terceiro colocado.
Durante a confecção deste gráfico surgiu uma dúvida. No método de alocação de ativos, ao contabilizarmos os proventos recebidos, devemos considerar apenas os dividendos das ações ou devemos somar também o rendimento da renda fixa? Se você acredita que só devemos contabilizar os proventos, veja a linha "Alocação de ativos". Se você acha justo somar aos proventos o rendimento da renda fixa, olhe a linha " Alocação de ativos ampliado".
Por fim, as estratégias de "Aporte dobrado inverso" e "Alocação de ativos" mostraram ineficazes para recebimento de dividendos de uma ação com forte tendência de alta.

Rentabilidade
A tabela abaixo mostra a rentabilidade anual de cada estratégia analisada:


Como já podemos imaginar após visualizarmos os gráficos da postagem, a rentabilidade dos aportes dobrados mostrou-se superior aos demais. Entretanto, o interessante a observar é que, mesmo resultando em um patrimônio 52% superior, a rentabilidade do método de aportes dobrados mostrou-se apenas 2,5% superior a de aportes mensais. Com um período de tempo muito longo uma diferença de 2,5% ao ano pode sim apresentar grandes diferenças no patrimônio, mas não seria o caso da simulação desta postagem, cujo início foi em 2009. Provavelmente o cerne desta curiosidade está no cálculo da TIR (que é a forma como está sendo calculada a rentabilidade anual) e a maneira como ela trata os aportes. No caso dos aportes dobrados, seus aportes se concentraram nos anos de 2010 e 2011, enquanto que nos aportes mensais o aporte foi uniforme em todo o período. Talvez por meio da TIR houve uma penalização para o método de aportes dobrados por ter alta concentração de aporte perto do início do período. Entretanto, como não conheço a fundo a metodologia da TIR, este dedução fica para o campo da especulação.
Os métodos de "aporte dobrado inverso" e "alocação de ativos" mostraram bem menos eficazes quando comparados com os outros, principalmente o "alocação de ativos" que fez com que o investidor perdesse grande parte do potencial da ação.

Qual o melhor?
Considerando todos os dados mostrados até o momento, podemos considerar que o método de aportes dobrados foi de longe o melhor. Mesmo tendo rentabilidade similar aos aportes mensais, os dividendos recebidos e o patrimônio final (que são na verdade o que interessa para o investidor) foram bem superiores.
Os demais métodos mostram uma vantagem para os aportes mensais, mas uma vantagem não tão destoante quanto o dos aportes dobrados.
Os métodos de "alocação de ativos" e "aportes dobrados inverso", mostraram-se menos eficazes, sendo que o primeiro ganhou em proventos e o segundo ganhou em patrimônio a rentabilidade, o que não mostra tão claramente qual foi o pior sem uma análise mais aprofundada.

E você, o que achou da postagem? Deixe nos comentários!

106 comentários:

  1. Sensacional Adp !!! essa série de simulações está cada dia melhor !!! realmente não resta duvidas que o método dos aportes dobrados é o caminho a ser seguido e fará toda a diferença lá na frente !! Abraços !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá ZN,
      Calma, ainda é cedo para afirma isso, rs.
      Abraços

      Excluir
  2. ADP,

    Parabéns pela postagem. Quero ressaltar apenas que fazer esse estudo olhando uma empresa boa pelo retrovisor é tranquilo. E se o método dos aportes dobrados tivesse sido aplicado na USIM3, por exemplo?

    Em todo o caso, o TSDB, do Bastter, trabalha exatamente dessa forma. Ele manda você comprar o que está mais distante do seu objetivo.

    Se uma ação cair muito sem motivo, apenas por causa do mau humor do Sr. Mercado, certamente o sistema indicará a compra da mesma.

    Mas vale frisar que isso dificilmente acontece com empresas boas, exceto em anos de crise sistêmica, como em 2008. Da minha parte, continuo com os aportes mensais seguindo o TSDB!

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá IL,
      "Parabéns pela postagem. Quero ressaltar apenas que fazer esse estudo olhando uma empresa boa pelo retrovisor é tranquilo. E se o método dos aportes dobrados tivesse sido aplicado na USIM3, por exemplo?"
      Ora bolas, como eu faria um estudo de simulação de compras mensais sem pegar as cotações anteriores? Você acha que eu deveria projetar cotações para o futuro?
      Eu peguei Cielo pois sugeriram que o método de aportes dobrados não funcionaria com empresas com forte tendência de alta.
      E como eu disse uma vez, métodos de aportes não são métodos de escolha de ações. Qualquer método possui suas falhas.

      "Em todo o caso, o TSDB, do Bastter, trabalha exatamente dessa forma."
      Qual forma? Aportes dobrados? TSDB é um nome marketeiro para alocação de ativos. TSDB = "alocação de ativos" da postagem.

      "Se uma ação cair muito sem motivo [...] vale frisar que isso dificilmente acontece com empresas boas"
      Aportes dobrados não precisam de fortes quedas para aumentar aporte. Se a cotação cair 1 centavo que seja em relação ao período anterior o investidor dobra o aporte. E empresas todas as empresas sofrem oscilação, mesmo as lucrativas. É como seu mestre Bastter fala. Se só subisse, seria renda fixa e todo mundo investiria lá.

      "Da minha parte, continuo com os aportes mensais seguindo o TSDB!"
      A ideia aqui não é catequizar ninguém. Se você prefere fazer alocação de ativos, seja feliz. Minha preocupação é que é perceptível que você nunca leu nenhuma outra fonte e é totalmente resistente a novas ideias que não seja daquele cara sem histórico. Mas o dinheiro é seu e você faz o que quiser, mesmo com uma evidência de 50% maior de patrimônio apenas mudando um parâmetro de aporte.
      Abraços

      Excluir
    2. ADP,

      Eu ia fazer a réplica a você mas desisti. É nítido que você está com raiva do Bastter e está preocupado apenas em "derrubar" o mesmo. Em todo o caso, é uma pena, pois eu considerava você um dos melhores blogueiros da nossa comunidade.

      Apenas para encerrar, quero deixar bem claro que o Bastter não é meu mestre e jamais será. Ele é uma grande inspiração, contudo, eu sei investir por conta própria.

      Abraços e seja feliz!

      Excluir
    3. "Eu ia fazer a réplica a você mas desisti. É nítido que você está com raiva do Bastter e está preocupado apenas em "derrubar" o mesmo."
      Tem certeza que você desistiu de replicar por causa disso?
      Derrubar Bastter? Me diz, para que? Você acha que tenho condições disso? Com qual propósito? Não ganho nada com isso. O que é nítido é que você tem uma necessidade de querer defendê-lo. Parece até que é pago para isso.
      É nítido também que você começou querendo atacar a postagem e por algum motivo, tentar defender Bastter. O que Bastter tem a ver com a postagem e por que esta tara em defendê-lo?
      "Quero ressaltar apenas que fazer esse estudo olhando uma empresa boa pelo retrovisor é tranquilo. E se o método dos aportes dobrados tivesse sido aplicado na USIM3, por exemplo?
      Em todo o caso, o TSDB, do Bastter, trabalha exatamente dessa forma. Ele manda você comprar o que está mais distante do seu objetivo."

      "Quero deixar bem claro que o Bastter não é meu mestre e jamais será."
      Sim, ele é seu mestre pois você tem tara em defendê-lo. Sua única fonte de referência são seus vídeos e nada mais.

      Abraços e fico por aqui.

      Excluir
    4. Excelente ADP, só faltou o campo "curtir" no seu comentário.

      Excluir
    5. Mas e sobre a USIM3, como que o método de aporte dobrado se comportaria? Fiquei curioso para saber.

      Excluir
  3. Olá ADP,
    Segue algumas reflexões rápidas aqui.

    - O aporte dobrado se deu muito bem em uma ação onde a tendência do período foi de alta.
    Mas depois simule com uma ação que houve tendência de baixa. Acredito que o aporte mensal ou alocação de ativos ganhe a parada. Não investiria ALL IN utilizando o aporte dobrado. Sei que foi só um exemplo esta postagem sua.

    - De qualquer forma, gostei da segunda posição dos aportes mensais.

    - Como o Portinho exemplifica o aporte dobrado no Ibovespa, estimando que a longo prazo a tendencia do ibovespa é de alta (eu espero), esta metodologia de aportes dobrados tenha mais chance de ser melhor que as outras, investindo em índice, como o ibovespa.

    - Outra coisa que veio em mente. Já pensou como poderíamos utilizar a metologia de aportes dobrados nas nossas carteiras individuais de ações como a minha e a sua? :-)

    Abs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "- O aporte dobrado se deu muito bem em uma ação onde a tendência do período foi de alta.
      Mas depois simule com uma ação que houve tendência de baixa. Acredito que o aporte mensal ou alocação de ativos ganhe a parada."
      Exato. Em tendência de baixa o investidor aumentará suas fichas de forma mais vigorosa que as outras modalidades. A questão é: a ação está em tendência de baixa por ser de uma empresa ruim ou não há motivos operacionais para isso? Parece uma pergunta boba, mas isso aconteceu justamente com Cielo em 2010 e 2011, quando na época os "analistas" eram unânimes que a empresa sofreria fortemente com a concorrência, e quando nosso investidor B (aportes dobrados) tirou a maior parte de sua riqueza. Se for questões operacionais, o investidor precisa redobrar sua atenção em monitorar suas ações para não correr o risco de investir como Buy & Forget.

      "Não investiria ALL IN utilizando o aporte dobrado. Sei que foi só um exemplo esta postagem sua."
      Nem eu, assim como não faria um ALL IN com compras mensais, alocação de ativos ou outra forma qualquer. Nada impede também que as estratégias sejam mescladas. Por exemplo, ter uma carteira com 10 ativos, e essa carteira como um todo fazer aportes dobrados.

      "- Como o Portinho exemplifica o aporte dobrado no Ibovespa, estimando que a longo prazo a tendencia do ibovespa é de alta (eu espero), esta metodologia de aportes dobrados tenha mais chance de ser melhor que as outras, investindo em índice, como o ibovespa. "
      Para afirmar isso, Portinho deve ter lidos estudos a respeito e fez simulações para chegar a esta conclusão. Entenda que Portinho é um cara que corre atrás da informação e tem base de estudos e experiência de mercado suficiente para ser levado a sério. Pelo menos nas simulações de aportes dobrados com BBAS3 e CIEL3, o resultado foi bem superior.
      Abraços

      Excluir
    2. "- Outra coisa que veio em mente. Já pensou como poderíamos utilizar a metologia de aportes dobrados nas nossas carteiras individuais de ações como a minha e a sua?"
      Sim. É só ajustarmos nossos aportes e considerarmos o preço da carteira em conjunto para decidir se dobra ou corta pela metade.
      Abraços

      Excluir
    3. ADP,

      Obrigado por todas as respostas!
      Mês que vem já iniciarei este método com os meus aportes.

      Abs!

      Excluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Qual o valor inicial do aporte dobrado? Iniciou aportando 100?
    Achei muita coincidência a quantidade total dos aportes mensais e do aporte dobrado estarem iguais no gráfico....É isso mesmo?

    ResponderExcluir
  7. 100
    200
    400
    800
    1600
    3200
    6400

    O limite é 6400 e não 5400. É isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá José,
      Respondendo aos dois comentários, a ideia inicial era fazer sim com o teto de 6400, só que desta forma ele aportaria mais e ficaria mais difícil de fazermos comparações. Eu reajustei a limite do teto para que os aportes sejam parecidos, e o valor encontrado foi 5400.
      No final das contas, o aporte total entre compras constantes e alocação de ativo são iguais, mas o de aportes dobrados é 430 a mais, ou seja, é semelhante mas não está idêntico. O aporte inicial foi de 800 reais.

      PS.: Se o teto fosse de 6400, o resulto seria ainda melhor.

      Abraços

      Excluir
  8. Excelente estudo ADP, bem esclarecedor. Parabéns!

    Tenho uma sugestão. No caso da alocação de ativos, você o fez com 50/50 CIEL3/RF. Você calculou a rentabilidade do total e logicamente este tem uma tendência a ser menor que os outros, por outro lado com risco também muito menor. (por ter uma parte em RF). Você consegue cálcular separadamente qual foi a rentabilidade, aportes e patrimônio da porção que foi para CIEL3 e que foi para RF? Apesar de ter ido apenas uma parte pequena para CIEL3, quero tirar uma dúvida da eficiência do método com respeito a alocação da parte que foi para CIEL3.

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá EI,
      Eu consegui sem grandes problemas calcular a parte separada de CIel3, e deu 26,7% ao ano. A parte de renda fixa me daria um trabalho imenso por causa da montagem da minha planilha, que não foi feita para fazer este cálculo separado. Mas como a renda fixa rendia 0,7% ao mês, o valor dela deve ser algo em torno de 8,7% ao ano.
      Abraços

      Excluir
    2. Obrigado ADP, não me entenda mal, mas eu consigo ver que a Alocação de Ativos entregou um bom resultado, minimizando o risco.
      Algumas pessoas fizeram comentarios sobre a concentração e o risco dos outros metodos e eu concordo. Na minha visão, a alocação de ativos ajuda justamente a diminuir a volatilidade e o risco, mas ela deveria funcionar melhor em um cenario com mais ativos RV.
      Se você tivesse uma carteira com 2 ativos RV com baixa ou media correlação (ex. CIEL e BBAS), eu acredito que a Alocação de ativos mostraria melhor a sua força. (Bom retorno com menor risco/volatilidade)
      Abraços

      Excluir
    3. Entenda que não estou advogando pelo método de aportes dobrados. Eu simplesmente peguei uma ação, 4 métodos de aportes e montei os gráficos.
      É natural que investidores prefiram a alocação de ativos pela sua redução de risco. Cada um tem seu modo de investir e não há nada de errado nisso.
      Só não vale dizer que alocação de ativos (ou qualquer nome que deem para ela) é a mesma coisa que aportes dobrados. Não foi você que disse isso, mas é o que tentaram afirmar acima.

      "Se você tivesse uma carteira com 2 ativos RV com baixa ou media correlação (ex. CIEL e BBAS), eu acredito que a Alocação de ativos mostraria melhor a sua força. (Bom retorno com menor risco/volatilidade)"
      Sim, a ideia é evoluirmos este tipo de postagem. O trabalho para fazer estas simulações é alto, mas um dia a gente chega lá.

      Abraços

      Excluir
  9. AdP, minhas dúvidas são semelhantes a do José Silva e Investidor Livr3:

    Como realizar a estratégia de aportes dobrados em uma carteira de várias ações?

    O TSDB do bastter.com é parecido com esse método?

    Att,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amigo,
      As perguntas foram respondidas.
      TSDB = alocação de ativos. Na verdade, o nome correto é alocação de ativos. TSDB é só um nome que o Bastter quis dar para a alocação de ativos do site dele.
      Abraços

      Excluir
  10. Agrande Adp! Bela simulação.

    Estava tentando aprender um pouco com os livros de análise dos balanços "David Clark e Mary buffet', já tinha lido algo sobre a fórmula de Nesh, sobre os aportes periódicos do TSDB. agora vamos ao livro do Barzi

    Tua simulação apenas assina o que o próprio Bastter falava a tempo... esquece o P/L e enche a bolsa de empresa boa porque no longo prazo a cotação de hoje será troco de pão. A cereja do bolo é o DY... se for empresa boa que pague acima da poupança...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito pelo contrário. A postagem vai contra o Bastter que diz que preço não importa.
      De acordo com a postagem, fazendo aportes de acordo com o preço da ação (ou seja, quando cai aumenta aporte, quando sobe diminui o aporte), o patrimônio e os dividendos recebidos serão muito maiores, mesmo aportando uma quantidade de dinheiro similar. Esta postagem não assina nada o que o Bastter fala. Pelo contrário, o contradiz, assim como qualquer livro sério sobre investimentos. Você consegue ver ele lendo esta postagem e aprovando?
      Abraços

      Excluir
  11. Antes que eu esqueça... Muito Obrigado pelo seu estudo!!

    ResponderExcluir
  12. Mais um excelente estudo de caso, AdP! Parabéns!

    Assim como você, me surpreendeu positivamente o resultado do método de aportes dobrados, tanto pela rentabilidade quanto pelos proventos recebidos. Com certeza vale a pena estudar formas de aplicá-lo em nossas carteiras.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também fiquei muito surpreso. Não pensei que a diferença ia ser tão grande.
      Abraços

      Excluir
  13. Apenas para ter bem claro sobre os aportes dobrados...
    Situação A

    jan fev mar
    1,00 1,10 1,05

    Neste caso em março haveria um aporte dobrado ou irias esperar a cotação cair a menos de 1,00 para fazer o aporte dobrado?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Supondo que seu aporte inicial foi de 500 reais:
      Janeiro - ação a 1,00
      aporte de 500 reais

      Fevereiro - ação a 1,10
      Aporte de 250 reais

      Março - ação a 1,05
      Aporte de 500 reais

      É o dobro ou a metade.

      Neste caso em março haveria um aporte dobrado ou irias esperar a cotação cair a menos de 1,00 para fazer o aporte dobrado?
      Não tem que esperar nada não. Se subir, corta a metade. Se cair, dobra. É por isso que funciona em ações que estão em tendência de alta, pois elas não sobem todos os meses. E em alguns momentos elas caem bastante. Vide MDIA3, que está em tendência de alta, bateu 110 e agora está 89. Quem fez aporte dobrado comprou quase nada em 110 e está comprando bastante em 89.

      Abraços

      Excluir
  14. Surgiu uma duvida!! ADP Para uma carteira com um portfólio extenso você teria que escolher a dedo em qual empresa aportaria dobrado em uma tendência de baixa em um determinado ambiente macro econômico. Esta simulação concentra alta exposição em um único ativo centralizado e isto eleva substancialmente os ganho percentual e também o risco. Para carteira pulverizadas esse método teria de ser mais brando já que o investidor nem sempre pode dispor de muito dinheiro para concentrar todo seu poderio bélico em uma determinada empresa.Esse método é altamente eficiente não há duvida , mas o risco dele é extremamente elevado!! Pela regra de juros compostos se concentrando aportes dobrados em uma categoria de ativos vencedora você consegue rentabilidade absurda advinda de aportes vultosos . Acredito que este método deve ser moderado para pequenos investidores e usado por investidores com estrutura maior para suportar grandes perdas caso este ativo leve fumo. Este método com certeza pode dar muito resultado !! O Risco é basicamente o mesmo de compra mensais. A Única vantagem da alocação de ativos é menos exposição aos riscos de mercado e maior pulverização da carteira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, Mestre dos Dividendos.
      Para uma carteira pulverizada o investidor precisa definir critérios precisos. Para ser sincero ainda não bolei uma maneira de aplicar o método desta forma. Talvez seja resolvido com uma questão de sentar e botar a massa cinzenta para esquentar.
      Abraços

      Excluir
    2. Mestre,
      O Portinho fez esta simulação com o ibovespa e o resultado também foi ótimo.
      Eu por exemplo, pretendo fazer os aportes dobrados na minha "carteira fundo" de 20 ações.
      Irei aportar como sempre faço, nas ações que estão com menor peso na carteira, tentando fazer o equilíbrio de 5% de participação para cada uma das 20 ações.
      Acredito que terei performance semelhante ao que o ibovespa teve.

      Abs!

      Excluir
    3. Realmente, a complicação começa ficar tensa.... rs

      Poderia estabelecer metas (dividindo) ou então considerar a carteira como um todo e usar a cota da mesma.

      Excluir
    4. Jose Silva,
      Você esta fazendo um mix de aportes dobrados com TSDB. Agora vai dar um nó no ADP e no marcinho ......

      Excluir
  15. Muito bom post ADP, mais uma vez parabéns pela iniciativa e pelo trabalho.

    Me permita, aproveitar o seu espaço e tecer alguns comentários...

    A despeito de todo esse debate, de que preço não importa... Vc mostra de forma contundente que não é bem assim. Tanto o estudo do BBAS como CIEL, de aportes dobrados corroboram que há necessidade de um estudo mais detalhado, e o investidor têm que ser criterioso em suas escolhas.

    Pra mim...., isso que vc demonstrou é algo bem intuitivo. Não vejo nem razão para questionar, pois é matemático.
    Se uma ação tem tendência de alta, porém faz isso de forma não retilínea, pois sabemos que ela oscila, o investidor que concentrar o aporte (aportes dobrados) em período de baixa da ação, terá um retorno muito maior.
    É muito matemático, não sei porque gera tanta discussão.

    E digo ainda...Quanto maior volatilidade, maiores serão os retornos.

    Mas também existem empresas, que analisamos como uma boa empresa, com tendência positiva... mas na verdade (por obra do destino, rs ) ela acaba se mostrando uma empresa com tendência negativa.
    Neste caso o método dos aportes dobrados, iriam causar um prejuízo maior.
    Também é matemática pura... existe o lado ruim também... não tem como só ter vantagem...A pessoa que decide por aportes dobrados tem que estar ciente disso.

    A grande dificuldade é reconhecer uma empresa vencedora... Se o investidor têm essa habilidade... então aportes dobrados podem ser cogitados. Pois para tudo na vida o preço importa sim.

    Lembrando que, para quem adota essa estratégia, tem ter um bom controle de risco.

    Na prática, no meu caso,.... e aqui estou falando só por mim pois cada um tem que individualizar, eu não conseguiria viabilizar esse método (aportes dobrados), apesar de ter achado muito interessante.

    Primeiro, porque eu sou péssimo em escolher "boas" empresas... O tempo já me mostrou a minha total incapacidade... (para muitos, azar. rs)
    Segundo: Meus aportes em renda variável são muito baixos, então as vezes eu compro uma ação, e em nome da diversificação, eu demoro muitos meses para comprar mais um pouquinho dessa mesma empresa. Se eu fosse fracionar em todas as empresas eu teria um custo muito alto. E a partir do momento que eu dobro uma ação na outra eu teria que reduzir, já que um dinheiro fixo.
    Então operacionalmente fica muito complicado.

    Para quem tem um aporte alto, talvez seja possível operacionalizar esse método.

    Bom, é isso aí ADP... excelente post, excelente estudo..

    Grande Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tenho aporte baixo. Vou implementar com aportes + dividendos. Não concordo com esta questão de aumento de custo. É só fixar a quantidade de compras no mês.

      Abs!

      Excluir
    2. Olá PC,
      "A despeito de todo esse debate, de que preço não importa... Vc mostra de forma contundente que não é bem assim."
      Esse é justamente o problema. Isso não era nem para ser debatido. Como já disse algumas vezes, qualquer livro de investimento sério, em qualquer época do tempo, em qualquer língua, nunca falará que preço não importa. Preço importa sempre, dentro e fora do mercado de ações. Quem diz que preço não importa é apenas uma pessoa, e você já sabe quem é. E eu às vezes tenho dúvidas de que esta pessoa realmente acredita nisso.

      Abraços

      Excluir
    3. "Esse é justamente o problema. Isso não era nem para ser debatido. Como já disse algumas vezes, qualquer livro de investimento sério, em qualquer época do tempo, em qualquer língua, nunca falará que preço não importa. Preço importa sempre, dentro e fora do mercado de ações. Quem diz que preço não importa é apenas uma pessoa, e você já sabe quem é. "

      Acho que você não tem lido livros suficiente e nunca leu nada sobre DCA (dollar cost average) pra afirmar que ninguém mais fala que preço não importa. Você tem sido bem arrogante ultimamente adp. Aprendeu com marcinho prófis?

      Excluir
    4. Olá, anônimo 13:33,

      poderia citar alguma passagem de algum desses livros sobre DCA dizendo que preço não importa e, ao mesmo tempo, esteja desconsiderando a Hipótese dos Mercados Eficientes?

      No aguardo.

      Excluir
    5. marcio,

      HME você colocou por sua conta ... explique pra nós onde quer chegar

      DCA presume aportes periódicos, em períodos iguais de valores iguais, portanto comprando ao preço do dia (sem olhar preço - ou o preço não importa). Se você encontrou outra definição de DCA por favor compartilhe conosco

      Excluir
    6. Anônimo, creio que esteja confundindo as coisas,

      O que está sendo colocado aqui é que os preços afetam sim a RENTABILIDADE final do investidor. Não estamos falando da metodologia.

      E a teoria que mostra que preço não importa (=não afetaria a rentabilidade) é a HME.

      Ignorar o preço sempre, como DCA, é ir em linha com a HME.

      No entanto, ainda assim, vc não deixou nenhuma passagem de nenhum livro mostrando a defesa do seu ponto de vista que, segundo você, o AdP não tem "lido livros suficiente e nunca leu nada sobre DCA". Presumo, desta maneira, que você tem lido, correto? Só desta maneira estaria capacitado para tecer tal crítica.

      Sendo assim, CONTINUO, aguardando as passagens de tais livros.

      No aguardo!

      Excluir
    7. Marcinho, quem não entendeu foi você, pra variar.

      Claro que preço afeta a rentabilidade. Quem esta negando isso?

      Eu estou falando da metodologia, mas não de HME.

      Leia um livrinho novo sobre investimento e encontra lá o que ele fala sobre DCA.

      O Investidor Inteligente
      Benjamin Graham

      Se tivesse lido inteiro teria chegado nesta parte

      Excluir
    8. Bom, então é isso. Partiu para agressão.

      Segundo vc, eu não sei nada, não li nada, que NÃO estamos discutindo sobre como a metodologia afeta a rentabilidade e que HME não tem absolutamente nada a ver com a ideia por trás do DCA.

      Bom, sobre o que faço ou deixo de fazer, acho que só se vc tivesse algum tipo de poder mágico para saber sobre o que eu li ou deixei de ler, não é mesmo? Então, quanto isso eu tenho certeza absoluta das besteiras que vc falará.

      Já com relação aos conhecimentos e livros que vc alega, aparentemente, deter conhecimento e ter lido, não tenho este poder mágico de adivinhar e confirmar sobre o que terceiros falam, então, apenas fiz uma simples pergunta e AINDA não obtive, pela 2a vez, a resposta.

      Sobre o livro citado, chega a ser engraçado. É um livro que PREGA que o preço faz TODA a diferença.... kkkkkkk

      Mas mesmo assim, CONTINUO (pela 3a vez!) no aguardo de uma passagem de qualquer um dos tais livros....

      Repetindo: NO AGUARDO!

      Excluir
    9. Olha aqui marcinho, seu babaca. Você leu a porra do livro que falei? Se não leu, leia que é o básico e lá ira entender do que estou falando.

      Se leu, leia de novo pq nao entendeu. Não vou ficar aqui passando passagem de livro pra preguiçoso.

      Já te dei as informações que precisa.

      Você leu o livro ou não?

      Excluir
    10. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    11. Nossa, quanta agressividade! E vindo por parte de alguém com tanta classe, realmente devo me preocupar?

      Ou essa coragem toda é pinta de bonzão se desmancha em segundos por trás do anonimato? De qualquer maneira, não tenho a mínima interesse em saber (mas apostaria na opção)

      Eu não entendi ainda o ponto. O que interessa é se eu li o livro ou não? Independente do que for escrito? Eu achava que o importante era defender os pontos amplamente reconhecidos pelo meio acadêmico e não um achismo ou outro de opinião. Engraçado isso.

      De fato, se eu li é irrelevante ou não para discussão. Até por isso, vou deixar vc imaginando se li ou não. Mas nada de ficar irritadinho com isso, hein!

      Mas a estante de livros fica aqui do lado do meu PC pra fazer consultas quando eu preciso. Em inúmeras passagens ao longo do livro ele sempre relaciona ao que ele chama de VALOR com o PREÇO. Por exemplo, na página 424 começa um subtítulo "Peneirando o Guia de Ações" e na página 425 são enumerados alguns critérios. Um deles é:

      "5. PREÇO: inferior a 120% dos ativos tangíveis líquidos."

      Veja bem: P-R-E-Ç-O. É inacreditável que vc venha citar Graham, quando a ideia toda dele é fazer um Valuation da empresa, buscando saber qual seria o "preço justo" a ser pago! Ou seja, após fazer o filtro das empresas e descobrir as que seriam as boas, ainda falta a decisão de comprar ou não BASEADA NO PREÇO!

      Se vc encontra que o preço justo de um papel é 30 e o mesmo está cotado girando entre 40-60, vc NUNCA utilizaria DCA (compras mensais) neste ativo, pois ele estaria sempre acima do preço justo!!!!!

      Bom, já que vc não trouxe nada da literatura, trouxe aí um pedacinho do livro que vc mesmo citou e contrariando o q vc mesmo diz.

      Acho q vc não leu o livro. Ou então leu e não entendeu.... rs

      De qualquer maneira, pela QUARTA vez:

      CONTINUO NO AGUARDO!

      ps - não confunda com o contrário descrito nas páginas 55-56!

      Excluir
    12. Realmente você nao leu.

      Eu não disse que o livro prega ignorar preços. Eu disse que Graham recomenda DCA em algumas passagens e que DCA é ignorar preço. Se vc não entende isso eu desisto.

      pela 5.a vez eu não respondi, kkkk

      Boa noite

      Excluir
    13. Ué, kd as tais passagens? rs

      As que eu coloquei vc ignorou? rsrsrsrs

      Repito: se vc encontra um ativo que tem como limite de preço 30, vc irá fazer DCA com ele rondando a casa dos 40-60 (ignorando o preço)????

      Graham prega isso? Por favor, não lembro de ter lido nada parecido neste livro, poderia me apontar em qual página está?

      Excluir
    14. Gente, a discussão é boa, só não precisamos partir para o xingamento.
      Abraços

      Excluir
    15. Marcinho, agora cala a boca e não enche mais o saco.

      Here is a quote from Benjamin Graham in 1963:

      “Another approach that is practicable, but from a different point of view, is the “Dollar Averaging” method, in which you put the same amount of money in common stocks year after year, or quarter after quarter. In that way you buy more shares of stocks when the market level is low and fewer shares when its high. That method has worked extremely well for those who have had (a) the money, (b) the time and, (c) the character necessary to pursue a consistent policy over the years regardless of whether the market has been going up or down. If you can do that, you are guaranteed satisfactory results in your investments.”




      Excluir
    16. rsrsrsrsrsrs

      Cara, a estratégia pregada pelo do DCA fala, sim, para ignorar preço. Ninguém, em nenhum momento, discordou disso. Onde EU escrevi isso?

      O que está sendo colocado em pauta pelo AdP são as diferentes estratégias.

      Algum maluco pode vir e inventar que só se deve aportar em ações na Lua Cheia e ignorando o preço. É uma estratégia? Sim! Existe metodologia e super-simples: "o aporte deverá ser feito no período da lua cheia, independente do preço do ativo".


      O que você AINDA não explicou foram duas coisas:

      1) como Graham, que prega que preço importa e avaliava o preço justo, iria fazer o DCA num papel com preço de mercado acima do preço justo. Pois isto é uma incoerência: de um lado fala que importa, do outro fala que não.

      Repito: me mostre uma passagem que confirme que um ativo de preço justo a 30 seria comprado usando DCA entre 40-60. Quero UMA só.

      2) Aguardo as passagens dos outros livros quaisquer q vc alega ter lido que o DCA é a última gota. E, repito, a estratégia do DCA é baseada na HME, hipótese essa extremamente criticada pelo mercado. Ou seja, baseia-se em uma teoria frágial para construir uma estratégia.

      A ideia do AdP foi mostrar os diferentes resultados entre as diferentes estratégias.


      AdP,

      esse cara é obviamente um troll (e mto provavelmente O Troll); pedi várias vezes uma passagem de qq livro sobre o assunto e ele não colocou nada. Está aqui para subtrair e não somar. Fique a vontade para apagar tudo que foi escrito.

      []s!

      Excluir
    17. Este é problema em não saber interpretar o texto. O cara toma um pedaço do mesmo e o leva ao pé da letra, ignorando todo o resto.

      Obviamente, se o preço justo de um ativo é 100, e o mesmo está rondando a faixa dos 50-80, "tanto faz" comprar a qualquer preço, afinal de contas, estará sempre no lucro no longo prazo.

      No entanto, o inverso está longe de ser verdade. Um ativo que vale 30 e possui preço de mercado na faixa de 40-60, NUNCA deveria ser comprado segundo os critérios de Graham, INDEPENDENTE da estratégia (seja DCA, seja Lua Cheia, seja aporte dobrado, etc)

      Entendeu agora, filhote?

      Excluir
    18. Ah! Sobre este 'quote' do Graham, vc sabe dizer a fonte?

      Olhe aqui e achei apenas o site www.begintoinvest.com, primeiro do Google.

      To achando que vc no desespero sem ler nada foi consultar o oráculo da informação (e não do conhecimento) e tascou logo o primeiro site que achou pelo caminho. É sério isso?

      Excluir
    19. Marcio, vamos la, pela última vez. Concentre-se que não terá próxima vez.

      Você disse: "Cara, a estratégia pregada pelo do DCA fala, sim, para ignorar preço".

      Pronto, você entendeu aonde eu queria chegar.

      Sobre Lua Cheia, você colocou por sua conta.

      Vamos aos itens:

      1) eu colei o trecho do livro do Graham, se isso não te satisfaz, problema seu, eu coloquei a referência para explicar o que eu estava falando.

      2) pra que outras referências? Você que esta dizendo que eu disse que DCA é a última gota. Eu não disse isso, eu disse que diferentemente do que disse o ADP existem referencias de autores famosos que falam em ignorar preço e isso se traduz em DCA. O próprio Siegel nao fala nada em preço mas fala de DCA. Qualquer estratégia que fala em DCA com índice esta dizendo para ignorar preços. Como você nao entende isso.

      Adp, sugiro nao excluir nada para ficar registrado o papelão que o marcinho está fazendo. Na verdade ele é que está trollando, pois não é possível não entender algo tão simples.

      Eu fico por aqui. CIAO

      Excluir
    20. É.... não convenceu.

      Como colocado no item 2), vc colocou que existem livros que dizem isso.

      E qual o único que vc citou? "O Investidor Inteligente". Um livro sobre valuation, onde o critério DECISIVO de compra é o preço! kkkkkkkkkkkk

      Inacreditável! kkkkkkkkkkkk

      Mas como a estratégia do DCA (aportes periódicos) SE BASEIA na HME, já lá em cima eu perguntei pra vc uma fonte que recomendasse o DCA e, ao mesmo tempo, ignorasse a HME.

      E continuuuuuuuuuuuuo no aguardo!

      ps - ontem esqueci de pegar a parte do livro "O Investidor Inteligente" que tenho e que discorda do que vc pregou. Mas acho que fica na 112 ou perto. De qq maneira, será que Graham então ficou maluco? Uma hora fala pra fazer, outra hora fala que não?

      ps2 - vc até agora não veio com UMA fonte confiável e sou eu quem estou fazendo papelão, né?

      Excluir
  16. Parabéns, AdP!

    Muito bom seu estudo.

    Infelizmente eu também não saberia como aplicar o aporte dobrado no meu método, visto que possuo algumas ações em carteira e nem tanto dinheiro para aportar. Mas vale muito como aprendizado.

    Quanto à discussão de preço, não há o que se discutir. Quando esse assunto vem à tona o nome do Bastter já é lembrado, e é difícil até mesmo acreditar que ele realmente acha que preço não importa.

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá AI,
      É a segunda bvez que vejo o comentário de que não possui dinheiro suficiente para praticar aportes dobrados. Só queria deixar claro que grandes quantidades de dinheiro não é requisito para praticar o aporte dobrado.
      Abraços

      Excluir
  17. Já conhecia o método pelo livro do Portinho. Com as suas simulações, a coisa fica mais clara. É possível fazer mais dinheiro no mesmo tempo.


    O problema é o investidor saber se comportar num mercado de altas expressivas, pois sempre haverá a presão para realizar viagens ao exterior, haverá pressão para trocar de carro ou apartamento. Levar em conta o lado psicológico também é interessante.
    No mais, seu post foi fantástico. Parabéns.

    Abs,

    Ex Socialista

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Está falando do Mercado de ações em 25 episódios? Ainda não li mas sempre vejo bons feedbacks a respeito deste livro.

      "O problema é o investidor saber se comportar num mercado de altas expressivas, pois sempre haverá a presão para realizar viagens ao exterior, haverá pressão para trocar de carro ou apartamento. Levar em conta o lado psicológico também é interessante."
      Sim, é verdade. E esta pressão acontece nas quedas também, quando o investidor pensa em vender com a faca caindo pensando em recomprar mais abaixo.

      Abraços

      Excluir
  18. Parabéns ADP por mais esse post. Continuo aprendendo com seus posts. Tenho uma reflexão. Posso aplicar até 1.000/mês. Aproveitando seu estudo, para diminuir risco e diversificar, penso que os aportes poderiam utilizar as ações mais negociadas (liquidez) e as maiores altas e baixas, mantendo em carteira de 5 a 10 ações, compraria 1 ação por mês (para diminuir custos), dentre as consideradas boas e em tendência de alta, a que apresentasse o maior recuo no momento da compra mensal. O que você acha?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá anon, vou refletir por partes:
      "...penso que os aportes poderiam utilizar as ações mais negociadas (liquidez)..."
      Na minha opinião, alta liquidez não é sinônimo de baixo risco. Claro, o ativo precisa ter uma liquidez mínima, mas escolher ações entre as mais líquidas não é, na minha opinião, uma redução de risco. Particularmente escolho empresas que apresentam lucratividade em tendência de alta, com altas margens bruta e líquida, pois acredito que este tipo de empresa será mais resistente.

      "...e as maiores altas e baixas..."
      "...a que apresentasse o maior recuo no momento da compra mensal."
      Como assim, você compraria a ação que mais caiu em sua carteira? Eu faço isso, mas apenas se eu me sentir bem seguro com a ação. Por exemplo, eu tenho BBAS3 e, apesar de em alguns momentos esta apresentar quedas expressivas, há mais de um ano que não aporto nela.

      "...compraria 1 ação por mês (para diminuir custos)"
      Bem válido.

      "O que você acha?"
      Acho interessante. Coloque em prática. Com o tempo é normal aprimorarmos nosso modo de investir. Para isso precisamos de um ponto de partida.

      Abraços

      Excluir
  19. Parabéns pelo post. A série é muito útil para aprendizado.
    Sou iniciante e vejo uma questão referente a essa comparação de estratégias. A alocação de ativos tem como objetivo a diversificação e por consequência redução dos riscos. Por isso, não vejo outro caminho para mim, que busco a segurança.
    Não me vejo investindo tudo em uma ação com aportes dobrados, sem ter uma base de renda fixa (meu perfil).
    Dessa forma, quem ficar encantado com o rendimento superior dos aportes dobrados mostrado nesse exercício, deve estar ciente que isso traz um risco adicional (maior risco = possibilidade de maior retorno, não é mesmo?).
    Então, acho que a análise do risco é uma faceta fundamental nessa comparação. O que acha?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E eu acho, obviamente, que os rendimentos da renda fixa deveriam ser considerados desde o início do estudo. Por que não?

      Excluir
    2. Perfeito, anônimo. Aportes dobrados possui maior risco.
      Acredito que ele necessariamente não precisa ser feito com apenas uma ação. O problema é saber aplicá-lo em uma carteira. No momento o que penso praticável seria um mix entre aportes dobrados e alocaçaõ de ativos. Mas acredito que achar outra solução é uma questão de pensar ou realizar leituras dedicadas ao assunto.
      Abraços

      Excluir
  20. Fala, AdP!

    Em primeiro, vejo que a simulação dos aportes dobrados inversos foi a sugestão que dei da outra vez e obrigado por considerá-la. Adianto que já fiz este estudo para vários ativos e cheguei a números parecidos, mas conclusões bem diferentes. Tem me faltado um pouco de tempo pro meu blog, mas postarei em breve...

    Sobre o seu post, tenho alguns comentários a fazer.

    1) Sobre a rentabilidade, que você comentou ser esquisito.

    Eu sempre que tenho essas dúvidas procuro raciocinar da maneira mais simples possível. Imagine o caminho mais bobo, uma reta. O ativo segue o caminho 10, 15, 20, 25.
    Os aportes, começando em 800, se vc fizer os dobrados (ADBR) e dobrados inversos (AINV), vai achar uma TIR respectivamente de 23% e 14%.

    No entanto, o capital final de quem usou o ADBR foi de 3mil reais e quem fez o AINV foi de 15mil reais. Quem ficou melhor? Mas de cara vc vai questionar que o ADBR fez menores aportes. De fato, a soma nominal dos aportes foi de 1.500 pro ADBR e de 12.000 pro AINV. Usando outra metodologia de retorno, o ROI, o retorno teria sido de 101% pro ADBR e 26% para o AINV. Novamente, melhores retornos no ADBR, mas baixo capital final.

    Quando fui fazer a simulação encontrei o mesmo problema. Então, fica como sugestão para você implementar no seu, resolvi fazer uma adaptação. O aporte total mensal da metodologia deveria ser dividido na renda fixa. Por exemplo, digamos que o máximo tenha sido 3.200 e o mínimo 100. Assim, no primeiro mês, ambos aportariam 800 em ações e 2.400 na renda fixa.

    Desta maneira, vc igual os fluxos mensais, mas irá diferenciar no final. Só assim que eu resolvi o meu problema. E fiz comparações com ROI mesmo (mais fáceis de calcular).

    2) Sobre os resultados

    Minha visão hoje sobre o mercado é bem diferente de outrora. Finalmente entendi tio Buffett. "Não perca dinheiro no mercado". Essa é a regra dele que relaciona-se a risco. De fato, o mercado deve ser utilizado para MANTER o patrimônio e não para multiplicá-lo. Buscar esta 2a opção é buscar muito, mas muito risco.

    Dito isso, aos resultados. Achei BASTANTE estranho o patrimônio final do Aporte Dobrado Inverso ter ficado abaixo de todos eles. Isso não aconteceu nem de longe nas simulações que eu fazia sem considerar o aporte na renda fixa. De 2012 a 2015 a Cielo subiu quase sem parar, meio como um foguete. Isto faria os aportes aumentarem muito, atingindo rapidamente o limite.... mesmo com os papeis saindo da casa dos 8 pra 40 (5x mais), os aportes relativos seriam umas 4x maior também... mas enfim, este não é o ponto principal.

    O ponto principal, por incrível que pareça, foi levantado pelo IL! (pausa para risos: kkkk).
    O seu estudo é baseado num ativo que subiu sem parar. E, neste seu estudo, a melhor metodologia foi a dos aportes dobrados (que por sinal, discorda do meu estudo, onde numa forte alta, a melhor metodologia foi o B&H clássico, com aportes periódicos).

    Se vc fizer um estudo com um ativo que só caiu, afirmo: a probabilidade é altíssima que o resultado seja justamente o inverso do que você encontrou aqui.
    -----

    Só adiantando, em meu estudo os melhores resultados no ciclo de alta foram, respectivamente: B&H (aportes periódicos), Aportes Dobrados e Aportes Dobrados Inversos

    Da mesma maneira, no caso de um ativo que só derreteu no tempo, os melhores resultados foram o inverso:
    Aportes Dobrados Inversos, Aportes Dobrados e B&H.
    Neste último caso com um agravante: os dois últimos quase sempre ofereceram rentabilidades negativas (ROI), enquanto os Aportes Dobrados Inversos ficaram no campo positivo (mesmo que abaixo da RF).

    Aí eu pergunto: pensando em se proteger, qual metodologia o investidor deveria utilizar?

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dimarcinho.

      "Eu sempre que tenho essas dúvidas procuro raciocinar da maneira mais simples possível. Imagine o caminho mais bobo, uma reta. O ativo segue o caminho 10, 15, 20, 25."

      Mas se vc inferir isso, para uma ação - renda variável, daí não faz muito sentido para mim os aportes dobrados.
      Acho que a grande diferença está no que o Catarrento comentou acima. O fato da ação ter volatilidade.
      Portanto com o método de ADBR vc consegue otimizar, em teoria, o fato de aumentar a compra em baixa e diminuir na alta. Nas pequenas variações que ocorrerem na tendência de alta.Já com o método de AINV, aconteceria justamente o contrário.
      Numa tendencia de baixa a história é outra.

      Excluir
    2. O problema é q vc já está partindo do princípio que o cenário que vc quer irá ocorrer. O melhor cenário do planeta pros aportes dobrados seria uma curva em forma de seno.

      Veja, com 4 patamares de preço em 4 períodos, vc tem 256 caminhos possíveis.

      Vc está considerando que vai ocorrer o q vc quer (alta, baixa, alta, alta)

      Excluir
    3. Mas Dimarcinho é sábido que as empresas oscilam os seus preços, Vc considerar que será uma retilínea também vc já está partindo do princípio que o cenário que vc quer irá ocorrer.
      Qual é a sua opinião sobre isso? vc acha que é mais provável uma ação seguir um retilínea ou acontecer como sempre aconteceu com a renda variável, e que é demonstrável em virtualmente quase todos os gráficos já realizados até o momento, onde independente da tendencia, a ação se move em períodos de altas e de baixas em relação a linha média.
      Apesar de que se vc estiver falando em aportes a cada ano, por exemplo, aí eu concordo que será mais retilíneo o movimento. Se for uma empresa sólida e com lucros crescentes, e vc cogitar aportes anuais, provavelmente o valor da ação só subirá e o AINV será muito mais vantajoso. Portanto a periodicidade é muito importante, se os aportes serão mensais / trimestrais /; ou anuais. Se vc está cogitando aportes anuais eu concordo completamente com vc.

      Excluir
    4. Cara, em q momento eu falei que será um momento retilíneo? rs

      Eu falei para imaginar este caso simples para poder raciocinar sobre o mais complexo.

      Excluir
    5. ""Imagine o caminho mais bobo, uma reta. O ativo segue o caminho 10, 15, 20, 25.""

      Desculpe, eu interpretei errado a frase acima então. rs.

      Se imaginar que esse caminho, como uma reta, irá ocorrer, só para raciocinar mesmo, o AINV será mais interessante como vc disse. (muito factível em aportes anuais ou até mesmo bianuais por exemplo)
      Mas não dá para extrapolar para o mais complexo, com aportes mensais e bem mais voláteis como o post do ADP demonstra.

      Excluir
    6. Anônimo,

      eu dividi o meu post em 2 partes pois na primeira quis comentar sobra a dúvida que o AdP colocou no texto dele sobre o aparente estranho resultado encontrado:
      "Entretanto, como não conheço a fundo a metodologia da TIR, este dedução fica para o campo da especulação."

      Já no 2o item eu tentei expressar sobre "o post em si"

      Veja que a análise da metodologia da rentabilidade aqui é importantíssima, pois o cara que ficou com a rentabilidade menor, ficou com um patrimônio maior...

      Mas veja, o principal ponto a ser colocado é que para TODA estratégia será PERFEITA em determinada situação.

      Vamos agora extrapolar o raciocínio da reta. Digamos o caminho 15, 10, 15, 20 (baixa, alta, alta)
      As compras realizadas entre 15 e 10, poderão ser consideradas como uma única compra ao preço médio entre eles, de por exemplo, 12; assim sendo, vc teria agora só três pontos: 12, 15, 20....e vc sempre pode fazer esse tipo de raciocínio, pois matematicamente dará no mesmo...

      Inclusive, este é o fato de que "fazer aportes periódicos é mais seguro do que um aporte único". Pura besteira. Fazendo aportes periódicos, em última instância, irá apenas deixar vc com um preço médio qualquer. Vc fez compras do ativo periodicamente ao longo de anos entre 12 e 30. Se o seu preço médio ficou na casa dos 20, estará tendo o mesmo ROI de alguém que fez um aporte único também na casa dos 20... E se o ativo estiver abaixo deste preço médio, vc terá prejuízo, independente de quanto tempo ficou fazendo aportes....

      Excluir
    7. Ah, sim, concordo contigo. Quanto menor o intervalo de tempo, maior a volatilidade e mais complicada fica a manutenção disso tudo. Como disse acima, 4 aportes trimestrais, matematicamente falando, irão equivaler a algum aporte anual em algum preço. Impossível acertar, é óbvio, mas em termos práticos é exatamente isso...

      []s!

      Excluir
    8. Agora sim Dimarcinho, perfeito.
      ""Mas veja, o principal ponto a ser colocado é que para TODA estratégia será PERFEITA em determinada situação.""
      Muito bom. É isso mesmo.
      Dependendo da tendência, da periodicidade, da volatilidade, haverá estratégias onde a vencedora será AINV, ou ADBR, ou Alocação, ou Aportes padrões, ou qualquer outra estratégia adotada.

      Excluir
  21. Acho que um estudo prospectivo seria mais interessante para corroborar a hipótese.

    Obviamente que em uma ação de tanto sucesso e valorização quanto a Cielo, o resultado seria bem óbvio. Já se fosse a Petrobras, acredito que a alocação de ativos ganharia.

    Abçs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estudo prospectivo parece ser interessante.
      Eu já não tenho mais certeza de nada, kkkk. Também chegaram a duvidar da hipótese do método de aportes dobrados não funcionar com empresas de tendência de alta, o que me motivou a realizar esta postagem. Mas podemos sim fazer com uma ex vencedora do mercado, como a Petriobrás.
      Abraços

      Excluir
  22. ADP, excelente estudo. Você realmente faz a diferença com esses trabalhos.

    Eu gosto do método discutido pelo IL, de alocação de ativos do Bastter.

    A estratégia do Portinho de aportes dobrados realmente é superior. Mas não emula a tendência de todos investidores iniciais, de "comprar no fundo e vender no topo"? Algumas premissas tem que ser atendidas para a estratégia assim funcionar: você conseguir sair fora de uma empresa que piorou (e escolher inicialmente uma empresa realmente boa) ; você definir critérios de redução e duplicação de aportes e muito sangue frio.

    Na prática, numa carteira com 15 ações, mensalmente fazer isso e ter bala na agulha, creio ser inviável. Talvez na prática alguém possa fazer isso com algumas ações selecionadas dentro da sua carteira.

    Acho bem difícil, embora alguma pessoa muito capacitada e dedicada, com certeza atingiria resultados exuberantes com esse método de alocação.

    Quanto à alocação de ativos simples do Bastter, que ficou em 2 lugar, creio esse ser seu mérito: simples, sem muito esforço e que protege seu dinheiro.

    Parabéns pelo blog e abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá kullt,
      "A estratégia do Portinho de aportes dobrados realmente é superior. Mas não emula a tendência de todos investidores iniciais, de "comprar no fundo e vender no topo"?"
      Pelo que entendo, não. Isso porque ela não possui timing. A premissa de investimento é a mesma que aportes mensais, ou seja, compre um pouco todo mês. Ou seja, ela não tenta acertar fundo. A única diferença é no aporte, que ao invés de ser constante, é dobrado ou cortado a metade. A filosofia de investir mensalmente permanece.

      "Algumas premissas tem que ser atendidas para a estratégia assim funcionar: você conseguir sair fora de uma empresa que piorou (e escolher inicialmente uma empresa realmente boa) ; você definir critérios de redução e duplicação de aportes e muito sangue frio."
      Exato. Esta é a maior dificuldade da maioria dos investidores (estou incluso): estabelecer critérios claros de sair de uma ação. Como escolher "empresas boas" não é uma tarefa fácil, ter critérios de saída é uma medida importante, principalmente nos aportes dobrados.

      "Na prática, numa carteira com 15 ações, mensalmente fazer isso e ter bala na agulha, creio ser inviável. Talvez na prática alguém possa fazer isso com algumas ações selecionadas dentro da sua carteira."
      Ainda não pensei em fazer isso em uma carteira de ações, só não concordo com a ideia de ser necessário ter bala na agulha para aplicar o método. Uma pessoa com capacidade de aporte de 1000 reais mensais pode começar aportando 300 reais, guardando os 700 restantes na renda fixa. No próximo mês, caso ele necessite dobrar, ele poderá fazer isso sem problemas.

      "Quanto à alocação de ativos simples do Bastter, que ficou em 2 lugar, creio esse ser seu mérito: simples, sem muito esforço e que protege seu dinheiro."
      É a estratégia mais conhecida entre os investidores. Eu mesmo sou praticante dela. Mas quando eu vejo outra maneira de investidor, eu gosto de pelo menos conhecê-la. Só não vale dizer que alocação de ativos = aportes dobrados, como tentaram dizer por aí. Cada uma tem suas vantagens e desvantagens.
      Abraços

      Excluir
  23. Parabéns AdP, excelente estudo, como é costumeiro...

    GdM

    ResponderExcluir
  24. Muito boa a simulação. Agora, considerando que há um limite na capacidade de aportar, talvez a simulação ficasse mais justa considerando que o aporte dobrado só poderia ultrapassar 1,5k se tivesse aportado menos nos períodos anteriores e tido sobra.

    Como se a capacidade de aportar dos amigos fossem idênticas.

    Parabéns, de QQ forma, pela simulação.

    www.ricodinheiro.com.br

    ResponderExcluir
  25. Muito boa a simulação. Agora, considerando que há um limite na capacidade de aportar, talvez a simulação ficasse mais justa considerando que o aporte dobrado só poderia ultrapassar 1,5k se tivesse aportado menos nos períodos anteriores e tido sobra.

    Como se a capacidade de aportar dos amigos fossem idênticas.

    Parabéns, de QQ forma, pela simulação.

    www.ricodinheiro.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá kleber,
      A ideia é justamente esta. Uma pessoa que tem capacidade de aportar 1k5 não precisa necessariamente começar aprotando 1k5. Ele pode começar aportando 500 reais e colocar o restante na renda fixa, podendo ser utilizado nos aportes subsequentes.
      Abraços

      Excluir
  26. ADP,

    Só por curisidade, em vez de multiplicar por 2 os aportes, multiplique por 1,63.
    Quero saber se neste caso a distância entre o segundo colocado seria maior que os 52%.

    O motivo é este post do Portinho.
    https://blogdoportinho.wordpress.com/2011/09/19/mad-otimizacao-dos-aportes-metodo-dos-aportes-dobrados/

    Valeu! Abs!


    ResponderExcluir
  27. ADP,

    Fiz muitas simulações aqui utilizando o ibovespa e notei que este método de aporte dobrado não é esta mil maravilhas. Não estou confiante que tão melhor assim, se utilizarmos em uma carteira de ações. Por exemplo, fiz uma simulação onde um aporte mensal de 800 reais de 01/1998 a 09/2011
    e deu 348.340,00

    E Utilizando a planilha do Portinho com estes dados:

    Limite Inferior (LI) R$ 116,73
    Expoente do Limite Superior* (n) 6
    Cálculo do Limite Superior (LS) R$ 2.094,34
    acrescimo 1,62

    Deu 226.471,00 investido no ibovespa + 60.048,2 de sobra dos investimentos totalizando 286.519,49

    Continuarei com o aporte médio constante mesmo.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ADP,

      Taí uma planilha de exemplo do que eu expliquei acima. Os valores não são exatamente os mesmos, mas dá para vc analisar.

      Na planilha ficou o Método de aporte dobrado com 256.531,41 e o método do aporte médio com 348.340,49.

      Veja principalmente as células que estão coloridas de Laranja.
      https://docs.google.com/spreadsheets/d/14QZAujpxycJ23wYw5WWLy8umZKHxYydh2vo9SElhFrk/edit?usp=sharing

      Depois comente o que achou.

      Abs!

      Excluir
    2. Po, José,

      numa tu começa aportando 800 em renda variável e na outra 116. Pq isso? Pq não começou igual e depois foi aplicando a técnica? Tem que começar igual....

      Além disso, as sobras ficaram embaixo do colchão? Pq elas não ficaram, pelo menos, na Caderneta de Poupança? Vc desconsiderou 13 anos de custo de oportunidade? Na sua tabela não vi considerando juros em nenhum lugar.

      Refiz aqui suas contas e se o dinheiro tivesse sido colocado na Caderneta de Poupança e considerando e o capital final seria de 145k e não 68k como na sua tabela, uma diferença de 77mil !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! E neste caso, ao invés de 256k, o final seria de 333k !!!!!!

      Não tão longe dos 348k, não é mesmo?

      Tente refazer os cálculos considerando os dados da Caderneta de Poupança (http://www.portalbrasil.net/poupanca_mensal.htm) e considere o aporte inicial de 800 e creio que poderá até encontrar outro resultado...

      De qq forma, o que é IMPORTANTÍSSIMO entender é que cada estratégia, não importa qual, sempre irá funcionar perfeitamente em determinado timing.

      Se o mercado fosse como uma função seno ou cosseno, a estratégia dos Aportes Dobrados seria perfeita..... rs

      []s!

      Excluir
    3. Dimarcinho,
      Comecei com 116 para não "estourar" a sobra.
      Preferi reduzir o valor inicial e aumentar o número de dobras (Expoente do Limite Superior* (n)). Notei em outras simulações que o rendimento melhorava com este aumento.

      Realmente faltou eu colocar o rendimento da renda fixa.Fiz correndo a simulação...
      Mas vc já fez pela poupança. Deu bem mais.mas nem alcançou. 348k.
      (Se alguém animar a fazer com a Selic, já descontando os impostos, seria uma boa também.rs)

      Continuando, esta simulação ficou muito longe da superioridade de patrimônio (52%) que ocorreu na simulação com a Cielo.
      Tive a intenção de simular com o Ibovespa para analisar como seria o comportamento se aplicasse o método na minha carteira "fundo" de ações individuais.Neste caso histórico, não fiquei satisfeito com o resultado. Por isso, até o momento, irei continuar com meus aportes médios mensais mesmo. Posso mudar de idéia, caso alguém comprove realmente que o uso deste método tenha uma probabilidade que seja realmente bem melhor que o aporte médio em carteira de ações.

      []'s

      Excluir
    4. Cara, olha só:

      "(...)caso alguém comprove realmente que o uso deste método tenha uma probabilidade que seja realmente bem melhor(...)"

      Eu escrevi acima e vou repetir:

      "é IMPORTANTÍSSIMO entender é que cada estratégia, não importa qual, sempre irá funcionar perfeitamente em determinado timing."

      Não é que o aporte dobrado seja melhor ou pior do que o constante. Ele vai ser melhor EM DETERMINADAS SITUAÇÕES.

      Só que nós não sabemos quais serão essas situações no futuro, então simplesmente acaba sendo indiferente.

      E outra: no mercado não tem fuga do risco x retorno. Se um método dá melhor retorno em determinada situação, na situação inversa ele também irá dar um pior retorno.

      "There ain't no such thing as a free lunch"

      Excluir
    5. Acho que a discussão entre os dois esclareceu bastante. Não existe método que é superior a todos os outros em todos os cenários.
      Abraços

      Excluir
    6. Dimarcinho e ADP,

      Entendi a questão dos cenários (situações).
      Se eu tivesse e ou conhecesse um estudo com todos métodos de aporte e o comportamento em cada cenário possível, provavelmente eu escolheria o método de aporte que se comportou pelo menos "na média" em todos eles.
      Se alguém conhecer, me avise! rs

      Abs!

      Excluir
    7. João,

      entendo seu argumento, eu também pensava assim. Mas temos de atentar a alguns detalhes. Aparentemente, este seu raciocínio faz sentido. Mas na prática não é bem assim. Dois pontos principais:

      1) Repetindo, a questão das situações. Os métodos valeram para determinadas situações passadas. E nada garante que elas vão se repetir no futuro, assim, tanto faz como tanto fez quem teve melhor desempenho no PASSADO. O que vai definir a nova melhor estratégia será o caminho dos ativos no FUTURO.

      2) Médias em mercado financeiro devem ser olhadas com extremo cuidado. Por quê? Pois são MÉDIAS! E essas médias encontram-se dentro um grande espaço amostral. E você, como investidor, não pode se aproveitar dessa estatística. Da mesma maneira que alguém, sozinho, não pode se aproveitar das estatísticas de seguro de carro para não ter um. É um risco ENORME que está correndo. A seguradora se aproveita da estatística: ela trabalha com 'n' carros. Já o seu carro, é só vc. E vc só precisa ser roubado/ter acidente 1 ou 2 vezes (a depender do valor do carro) pra dar uma boa facada no patrimônio.

      Na mesma linha, não adianta vc ter um estudo que mostra historicamente um retorno xpto, se o desvio padrão da coisa é 4X esse retorno. Na prática é quase uma "roleta russa", ou seja, um exercício de sorte (além do problema já citado no item 1. acima)

      []s!

      Excluir
    8. Marcio, vc fala, fala, fala e não chega a lugar algum.
      Na sua opinião, qual a melhor opção para o investidor medio como vc?

      Excluir
    9. A melhor opção?

      Não expor mais do que se pode perder.

      Só isso.

      Excluir
  28. ADP,

    Depois de um trabalho do caralho tem nego que ainda vem detonar e afirmar "isso ou aquilo" sobre o que você pensa... putz, até desanima! Simplesmente você pegou 4 opções de aporte, um ativo e aplicou os cálculos matemáticos. NADA ALÉM DISSO, e cada um que decida o que vai fazer com seus investimentos. Dirijo este texto a você, que é um cara sério nesta blogsfera de retardados.

    Eu atualmente estou mais conservador, já fiz de tudo no mercado: day trade, termos cobertos e descobertos (com opções), aluguel de papéis e venda a mercado, swing trade, buy and hold, all in em PETR4 ou VALE5 (estupidez). Uma coisa eu notei nas minhas maiores falhas, que foi achar que eu estava certo e o mercado errado... me fudi. O mercado é um bicho irracional e incontrolável, não importa o método que você use, pois para quem investe por mais de 10 ou 20 anos pode acontecer um mundo de cisnes negros, governos corruptos, guerras, ataques terroristas, empresas quebrarem, economia afundar e todos os nossos investimentos virarem pó. A certeza que tenho é de que nada é certo no mundo dos investimentos, inclusive a renda fixa tem riscos e bancos também quebram! Talvez, ter uma fazenda e gerar renda nela seja o menor risco, tem mais benefícios tributários, mais fácil fugir do imposto de renda (sim, detesto o governo e se pudesse eu não pagaraia impostos, pena que tudo que faço é retido o IR na fonte)... mas ainda existe o grupo terrorista do MST, doenças para plantações e animais, incêndios... Como não sou fazendeiro,
    sigo nos meus investimentos e optei por menos volatilidade na carteira, visto que dizer "menos risco" é errado pois tudo que tenho aplicado corre riscos de perda. Menores agora, mas ainda tem risco.
    Busco hoje meu 1% ao mês para remunerar a carteira, fiacarei muito feliz quando chegar lá. Quanto ao método que deu melhor resultado na sua simulação, que não é expressamente sua opinião, deu muito certo num papel foguetando - sei que já te disseram isto - e aguardo o mesmo teste num papel que afundou. Contra números, não há argumentos, não importa o que Benjamin Graham ou Maomé pensem.
    Todos que aqui vem ou seguem blogs de investimentos, inclusive eu, buscam o Graal dos investimentos. Independente das discussões que as vezes caem no bate boca, KKKKK - Dimarcinho é o René Descartes da Blogsfera - a finalidade de todos é aprender. O que eu aprendi?
    1- Não perder já lucrar.
    2- Ir devagar, mas ir pra frente sempre.
    3- Quanto mais dinheiro se tem, mais se perde quando se toma maiores riscos. O tombo é maior. De novo, mais dinheiro = tomar menos risco. Ou, pouco risco sempre, cada um faz sua própria escolha.
    4- Dinheiro perdido não volta fácil, e as vezes a tentativa de recuperar o prejuízo liquida o restante que sobrou. Então, evite perder!
    5- Num país com renda fixa estratosférica, vale menos ainda correr riscos na renda variável. Mas em países com taxa de juros quase zero, ter ações que pagam dividendos de 4% ou mais (apenas exemplo), atiçam o apetite de qualquer investidor! Aí, o papo muda. Moro na opção 1, dos juros altos, então vou aproveitar.

    ResponderExcluir

  29. 1- Não perder já é lucrar.
    2- Ir devagar, mas ir pra frente sempre.
    3- Quanto mais dinheiro se tem, mais se perde quando se toma maiores riscos. O tombo é maior. De novo, mais dinheiro = tomar menos risco. Ou, pouco risco sempre, cada um faz sua própria escolha.
    4- Dinheiro perdido não volta fácil, e as vezes a tentativa de recuperar o prejuízo liquida o restante que sobrou. Então, evite perder!
    5- Num país com renda fixa estratosférica, vale menos ainda correr riscos na renda variável. Mas em países com taxa de juros quase zero, ter ações que pagam dividendos de 4% ou mais (apenas exemplo), atiçam o apetite de qualquer investidor! Aí, o papo muda. Moro na opção 1, dos juros altos, então vou aproveitar.
    6- Temos hoje FII pagando 1% ao mês de dividendos, sei que isso tbm é renda variável antes que alguém venha me ensinar. Mas existe o bem material de lastro, inclusive tem fundos só de papéis de RF pagando hoje 1% isento de IR e cotados abaixo do VP uns 15% (já foi maior o spread meses atrás). Isso, não teremos todos os dias. Aqui está meu investimento no setor "imóveis".
    7- Agora o assunto ações: não li o livro do Graham, mas preço importa sim para quem tem um QI acima da população consumista que compra uma TV por 3 vezes seu valor inicial, a juros, em 20 vezes por que "pode pagar a prestação do carnê". Seu Zé da padaria prefere comprar a farinha de trigo com os preços em queda do que na alta; quem compra pasagens aéras hoje usa mecanismos de busca na Internet para gastar MENOS e não MAIS. Este papo de que preço não importa é coisa de gente estúpida, não tem o menor sentido comprar mais caro! Se fosse assim, estariam todos comprando dólares nos 3,40 e teriem vendido nos 1,60. Por isso, depois de 9 anos acompanhando o mercado (que não quer dizer muita coisa, mas é o que eu tenho) digo que a hora de comprar boas empresas a rodo é nas crises, fazer grandes aportes nestas horas! No mais, talvez o aporte na alocação 50/50 seja algo mais sensato e menos arriscado ou, como eu prefiro HOJE (amanhã meu alter ego pode mudar tudo, KKKK), mais de 60% na renda fixa.
    Pensando no livro do Décio Bazin, que prega os 6% sobre o dinheiro investido, ou o Graham que se não estou enganado prega no mínimo para ter 25 a 50% da carteira em boa RF, hoje com nossa atual taxa de juros acho que investir em ações seria em papéis com expectativa de alta acima de 13% ao ano (variável intangível, ninguém sabe com certeza onde um papel vai parar, senão seria mágico) ou proventos anuais acima de 13% (variável que pode ser avaliada retrospectivamente, mas também sem garantias de repetir o resultado passado no futuro...). Visto que ainda se deve ter uma margem de segurança no preço de compra do ativo, eu colocaria ainda que os papéis devem estar com um bom desconto no seu preço atual para justificarem sua compra. Minha humilde opinão, de 20 a 30% de desconto, levando o yield acima de 20% ao ano (chutei este cálculo, não me cobrem fórmulas por favor). Temos isso no mercado? Me avisem, por favor. Sei que existem empresas que não pagam dividendos bons, mas subiram 100% em 1 ano... e outra cairam 99% em 1 ano também.
    Não sou trazer, este é outro departamento e admiro e respeito bons traders, mas não é meu perfil. Conheço um cara que ganha muito com trade em ações, mas vive colado em 4 monitores o dia todo... separou da esposa... isso não é vida. Ganha dinheiro e perde convívio. Se for trader com lucros e tiver vida pessoal equilibrada, PARABÉNS DUAS VEZES!

    Em resumo: minha atual opção pessoal é o que postei acima. Talvez estar mais em RF e nas crises fazer aportes maiores: subiu, vende e realiza lucro e volta o aporte inicial ou até mais para a RF. E que fique claro que por melhor que seja a estratégia adotada, todas podem dar muito errado, por isso optei pela menos arriscada. Mas vou estudar ela na compra de FII. E parabéns pela dedicação, paciência e seriedade do seu Blog, gosto muito dos seus posts.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Haevy Metal. Antes de tudo, é uma honra vê-lo por aqui.
      Excelentes considerações. Onde eu assino? O blogspot está precisando de um botão curtir.
      Veja bem. Eu tenho um trabalho de condenado para fazer este tipo de postagem. Preciso catar as informações necessárias contidas em um gigabyte de informações em texto (que são as cotações diárias em todos estes anos), buscar os dividendos, pesquisar quais foram os desdobramentos e bonificações, organizar todas estas informações, bolar as fórmulas necessárias para fazer a simulações entre 4 formas distintas de aportar, revisar os cálculos, saber como montar os gráficos com os resultados encontrados, escrever a postagem de uma forma que todos entendam o resultado e ainda responder, na medida do possível, os comentários. Depois de todo este trabalho desgraçado com o objetivo de fomentar discussões, ainda vem gente falando que "este estudo olhando empresa boa pelo retrovisor é tranquilo". Além de não ser nada tranquilo, a abertura da postagem mostra claramente que foram feitas postagens de aportes constantes com vários tipo de empresas, inclusive com rentabilidades não boas, como EMBR e CSNA. E ainda sou atacado por supostamente estar querendo derrubar certa pessoa (nonsense), que não sei porque diabos é sempre invocada pelo mesmo cidadão como uma espécie de tara. O cara fala que o método de aporte desta pessoa (alocação de ativos) faz a mesma coisa que aportes dobrados, e após receber uma resposta nada amistosa (pois paciência se esgota), ainda me chama de arrogante, o que moderei nos comentários (o sujeito vem em minha casa, faz pouco caso e ainda quer me xingar?), e ainda não contente, faz uma postagem em seu blog se vitimizando.
      E é como você disse, isso desanima muito. Quero discutir coisas úteis. Ficar de picuinha com gente defendendo coisa que nem faz parte da postagem é desanimador. A vontade de largar o blog passou pela minha cabeça. Mas sabemos que faz parte.
      Abraços

      Excluir
  30. Queria ver vc fazer o resultado desse "etf" csna, embr, cmig, ciel etc.. Coisa que foi bem e coisa que não foi tão bem assim, pra ver se o resultado bate a RF do periodo. abs Leo

    ResponderExcluir
  31. Excelente postagem AdP.

    Estou ansioso para descobrir como aplicar o aporte dobrado numa carteira de investimentos típica e comparar com a alocação de ativos que depois de ver isso aqui, me deu até medo prosseguir nela.

    Vc já tem os dados de várias empresas, pois já fez este tipo de postagens antes, e se juntar todas elas (as que já foram feitas para diminuir o trabalho) em uma carteira de investimentos imaginária e aplicar o método Aportes dobrados vs Alocação de Ativos, sendo o rendimento deste último 0,8% pois está fácil conseguir isso!

    Fica aí meu humilde pedido, mestre.

    ResponderExcluir
  32. Bacana, AdP! Essas simulações de aportes mostram como a disciplina é importante para se obter sucesso com investimento na renda variável.

    Abraço$!!!

    ResponderExcluir
  33. Prezado AdP, parabéns pelo blog. É sempre bom ler as suas postagens. Gostaria de esclarecer uma questão sobre o método utilizado: os dividendos recebidos foram somados ao aporte trimestral para compra de novas ações (exemplo: aporte de R$ 800 + Dividendos de 100 = compra de R$ 900 em ações) ou serviram de complemento para se chegar ao valor do aporte (ex: Dividendos de 100 + 700 = aporte de R$ 800). Você está utilizando o método dos aportes dobrados em suas compras? Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá anon,
      Normalmente, quando falamos em aporte, referimo-nos a "dinheiro novo", que seria o dinheiro transferido da conta corrente para a corretora. Logo, os dividendos são somados para a compra de novas ações, mas não contabilizados como aporte.
      Abraços e sucesso.

      Excluir
  34. Cara to lendo seu blog e é muito bom uso o tsb do bastter que e otimo tb esse aporte dobrado e muito show especialmente para os etf to tentando ajutar eles para uma carteira de ações diversificadas. Se vc tiver alguma ideia agradeço. Otimo blog e grandes debates

    ResponderExcluir

Anônimos, contribuem e deixem um nome para que seja possível outras pessoas fazerem referências, estabelecendo melhor a troca de ideias. Educação é sempre bem vista.
Mensagens de trolls serão moderadas.