sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Estratégias envolvendo P/L

Na última postagem descrevi o processo de cálculo da relação Preço/Lucro de uma ação e prometi descrever algumas estratégias envolvendo sua utilização. Há diversas estratégias envolvendo este indicador, mas descreverei 3 destas.

Entre os investidores que usam a relação P/L é quase consenso a importância de se  investir em empresas que possuem um baixo P/L, ou pelo menos evitar investir em empresas que tenham uma relação P/L em um patamar muito alto.

Jeremy Siegel em seu livro “Investindo em Ações no Longo Prazo” criou uma tabela demonstrando que ações com baixas relações preço/lucro tiveram retornos maiores que ações com altas relações preço/lucro. Nesta tabela, ele dividiu as 500 empresas do índice S&P500 em 5 grupos , que variam do menor ao maior P/L dos últimos 12 meses, e registrou a performance deste grupos entre o período de 1957 a dezembro de 2006. O resultado de seu trabalho está abaixo:


Como podem ver, quanto maior a relação P/L de uma empresa, menor foi o seu retorno ao longo do tempo.

P/L x P/VP
Entretanto, confiar os seus investimentos baseados apenas na relação P/L pode ser um grande sinal de insensatez. Benjamin Graham, mentor de Warren Buffet e autor do livro “O investidor Inteligente”, possuía uma série de requisitos para investir em ações. Dentre estes requisitos, ele indica que não se deve investir em empresas com a relação P/L maior que 15 e com a relação P/VP maior que 1,5. Como regra de bolso, ele indica que a multiplicação entre o P/L e o P/VP não poderá ser maior que 22,5.
Para o leitor que não sabe o que é a relação P/VP, ela é determinada pela divisão do valor de cada ação da empresa pelo valor patrimonial por ação:

P/VP = Valor da ação / Valor patrimonial por ação.

Utilizarei a Grendene para exemplificar o cálculo da relação P/VP. Para isso, temos que achar primeiro qual o Valor Patrimonial por ação:

Valor patrimonial por ação = Patrimônio Líquido / quantidade de ações

Fazendo uma busca no site da Bovespa, será inserido o valor do patrimônio líquido da empresa:


E a quantidade de ações da empresa é de 300,7 milhões.
 
Logo:
Valor patrimonial por ação = 1.740,1 milhões / 300,7 milhões = 5,78

Isto significa dizer que cada ação carrega consigo R$5,78 do patrimônio da empresa.
Como o valor de cada ação está no momento valendo R$8,17:

P/VP = Valor da ação / Valor patrimonial por ação.
P/VP = R$8,17 / 5,78 = 1,41

Este valor está batendo certinho com o Fundamentus e com outros sites que já calculam automaticamente estes indicadores. Aproveitei e peguei de lá o valor do P/L, que é de 8,03.
Ambos o P/L e o P/VP da empresa passariam pelo requisito descrito de Benjamim Graham. Multiplicando o P/L de 8,03 com o seu P/VP de 1,41, teríamos um valor de 11,3 que é bem abaixo dos 22,5 que ele estabeleceu.
Porém esta estratégia acaba sendo muito conservadora ou inadequada, pois muitas empresas que possuem crescimento rápido em seus lucros possuem também altos valores P/L e P/VP, e nem por isso é um mau negócio investir nestas empresas.

Comportamento do P/L ao longo do tempo
Uma estratégia muito interessante para ser seguida é a monitoração do P/L da empresa ao longo do tempo. Apesar de não ser uma regra, cada empresa possui níveis de variação em sua relação P/L. Um P/L de 16, por exemplo, pode estar em um nível muito alto para uma empresa como o Bradesco, que costuma variar entre 9 e 16. Mas este mesmo nível pode ser bem atraente para a Ambev, cujo P/L, nos últimos 5 anos, variou entre 16 e 25.

Como descobrir a variação do P/L de uma empresa? Há duas formas:
1º - Na unha! Calcular de forma braçal o P/L destas empresas ao longo do tempo através dos dados disponibilizados na internet...
2º - ou através de blogs ou instituições que já disponibilizam, de forma gratuita ou não, estas informações. De vez em quando o blog do INI disponibiliza uma planilha com estes dados.

Talvez seja interessante analisar melhor uma empresa quando ela está próxima de seu patamar mínimo de P/L histórico.
Pela tabela que obtive no blog do INI, percebi que o P/L da Grendene variou de 8,5 a 13,9 nos últimos cinco anos. Atualmente o P/L da empresa é de 8,03, valor que já está abaixo do mínimo. Isto pode significar que o mercado está pessimista com a empresa e que está antecipando uma queda nos lucros, mas também pode significar exageros por parte do mercado, dando um excelente ponto de entrada.
Porém este método não está avaliando o crescimento dos lucros da empresa, que na maioria das vezes faz a cotação subir rapidamente. Do mesmo modo, não é interessante encontrarmos uma empresa que esteja crescendo rapidamente, mas que já está precificada através de uma alta cotação e um alto P/L. O interessante é descobrir uma forma de avaliar o crescimento dos lucros de uma empresa junto com o seu P/L, de forma a encontrarmos uma empresaque tenha crescimentos consistentes e rápidos e um baixo P/L.

Crescimento de lucros x P/L
No livro “O jeito Peter Lynch de Investir”, ele apresenta uma forma simples de resolver este problema. Ele diz que a relação P/L de qualquer empresa que estiver adequadamente precificada será igual a sua taxa de crescimento dos lucros. Então para a Grendene, que tem um P/L de 8, é de se esperar que ela tenha um crescimento anual de 8%. Se a relação P/L for menor que a taxa de crescimento, então estamos lidando com uma pechincha. Com isso chegaremos na seguinte fórmula (como o autor não deu um nome para este índice e não o encontrei na Internet, irei chamá-lo de índice C/PL):

Índice C/PL = Crescimento anual / (P/L)

De acordo com o autor, para melhorarmos este índice podemos levar em consideração na fórmula os dividendos da empresa:

Índice C/PL = (Crescimento anual + Dividend Yield) / (P/L)

Ele conclui que se o C/PL for menor que 1, é ruim. Um valor de 1,5 é bom. Porém o ideal é um valor 2 ou mais.
Então vamos calcular o C/PL da Grendene!

O Dividend Yield será retirado de sites que disponibilizam esta informação. O seu valor hoje é de 7,5%. O P/L já temos, que é de 8,03. Só falta o crescimento anual.
Para calcularmos o crescimento anual, destacarei os lucros da empresa ao longo dos anos (valores em milhões de R$):

Para ficar uma conta mais coerente, vamos fazer a média aritmética dos 3 primeiros e últimos anos:

Média dos 3 primeiros anos: 138,7
Média dos 3 últimos anos: 275,8

Então a taxa de crescimento deverá ser feita com um valor inicial de 138,7 até um valor final de 275,8. Como foi calculada a média dos 3 primeiros e últimos anos, é necessário a realização de um ajuste retirando 2 anos, reduzindo de 10 para 8. Deveremos então achar uma taxa de crescimento onde, a partir do valor inicial de 138,7, esta crescerá 7 vezes até chegar ao valor final de 275,8.

Taxa de crescimento = x
138,7 * x * x * x * x * x * x * x = 275,8
138,7 * x^7 = 275,8
X=1,103
 
Assim, a taxa de crescimento no período foi de 10,3% ao ano.

Voltando à fórmula do índice C/PL, temos:
Índice C/PL = (Crescimento anual + Dividend Yield) / (P/L)
Índice C/PL = (10,3 + 7,5) / 8,03
Índice C/PL = 2,14

Avaliando-se apenas por este indicador, um valor 2 indica que ela está sendo negociada por uma pechincha. Devemos observar também que os dividendos exercem uma forte influência no seu cálculo, pois sem eles o índice estaria próximo a 1,3.

Conclusão
Esta postagem foi criada com o objetivo de mostrar estas 3 estratégias de uso do P/L. No entanto não devemos utilizar apenas o P/L ou apenas estas estratégias como únicas ferramentas para tomada de decisões. A Grendene passou em todas as 3 avaliações, porém é necessário pesquisar a procedência dos lucros da empresa, sua governança, seu planos empresariais, dívidas, perspectivas de lucros e muitas outras informações antes de se decidir comprar ou vender. Esta postagem de forma alguma foi feita com o objetivo de promover a Grendene. Esta empresa foi escolhida pelo seu histórico no mercado e pela facilidade de se calcular seus indicadores.
Na próxima postagem examinarei outras empresas para testar estas três estratégias.
Até a próxima!

16 comentários:

  1. Que excelente postagem ADP. Impressionado com os conhecimentos.

    Estou buscando fazer estes filtros usando o DY junto.

    Não tenho dúvidas que receberei 200.000 reais por ano em Dividendos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá PdVR
      O Dividend Yield também é um indicador muito importante na escolha dos nossos invetimentos. Ao longo do tempo farei postagens abordando o assunto.
      200 k em dividendos? Isto dá 16k6 por mês. Não é impossível, mas é necessário um pouquinho de esforço para isto, rs. Temos que aumentar nossos aportes.

      Abraços

      Excluir
    2. Meu grande teve um pequeno equívoco, na parte que você diz:"Dentre estes requisitos, ele indica que não se deve investir em empresas com a relação P/L maior que 15 e com a relação P/VP maior que 1,5."

      Na verdade a regra de bolso está certa, (22,5) mas ele não recomenda P/VP maior que 2. O 22,5 serve para o balanço entre o P/L e P/VP.
      O seu blog está de parabéns, acompanho suas postagens tanto aqui quanto seus posts no forum IF. Parabéns continue o bom trabalho.

      Abraço

      Excluir
    3. Olá Balboa
      Obrigado pelos parabéns. Abaixo está uma passagem do livro "O Investidor Inteligente" que sintetiza a regra de bolsa.

      "
      O preço atual não deveria ser mais do que 1,5 vez o último valor contábil divulgado. No entanto, um múltiplo de lucros inferior a 15 poderia justificar um múltiplo de ativos correspondentemente maior. Como uma regra de bolso, sugerimos que o produto do múltiplo vezes a razão preço/valor contábil não deva exceder 22,5. (Esse número corresponde a 15 vezes os rendimentos e 1,5 vez o valor contábil. O resultado admitiria uma ação negociada a apenas nove vezes os lucros e 2,5 vezes o valor do ativo etc.)
      "

      A regra geral para o investidor defensivo é investir em empresas com um P/L inferior a 15 e um P/VP inferior a 1,5, cuja multiplicação seria 22,5. Porém um P/L menor do que 15 admitiria um P/VP maior. P/L 10 com P/VP 2,5. P/L 9 com P/VP 9. Um P/L 6 com P/VP 3,75.

      Abraços

      Excluir
  2. numeros podem ser torturados até dizerem o que queremos....
    se pegar os dados de 2003 até 2011 e mesmo raciocinio....
    tem-se um crescimento de lucro liquido ajustado de 205 para 270 em 6 anos! 32% em 6 anos.dá uma média de crescimento de pouco menos de 5% ao ano!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por isso que quanto maior é a base de dados, maior é a confiabilidae de se calcular uma taxa de crescimento. Se temos em uma determinada empresa dados de 15 anos, podemos tirar a média dos 5 primeiros e dos 5 últimos e calcular a taxa de crescimento em cima de 10 ano consecutivos, de acordo com o ajuste. É importante calcular também a taxa de crescimento em períodos diferentes.
      Mas lembre-se. Isto é apenas uma simples fórmula. Não podemos esperar milagres através dela.
      Muito obrigado pelos seus comentários. Ótimas observações.

      Abraços

      Excluir
  3. Vc ta ficando fera em AP, parabéns!

    Eu utilizo o P/L entre outras para analizar os fundamentos de uma ação para compra e para mim eu busco P/L menor ou igual a 8.

    Abços

    ITM

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também gosto de ações com baixo P/L, mas sempre dou uma olhada em algumas outras com alto P/L. Algumas delas podem nos surpreender!

      Abraços

      Excluir
  4. Postagem excelente, eu já vinha pensandonisso há algum tempo.

    MInha curiosidade é saber se existem alguns estudos sobre p/ls de ações em situações de stress na bolsa quais são os sinais que mostram um lucro potencial.

    um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há muitos estudos sobre o P/L. Há desde pessoas que o utilizam cegamente em seus investimentos até pessoas que acham este indicador irrelevante.
      Em situações de stress na bolsa (em baixa), a tendência é que o P/L das empresas baixem ao mesmo tempo. Mas falando em sinais que mostram um lucro potencial, há uma infinidade de teorias. Uns tentam gráficos, outros estudam os balanços. Por regra, acredito que o melhor método é acumular ações de empresas que tenham lucros crescentes. Fazendo isto dificilmente se sairá perdendo dinheiro.

      Abraços

      Excluir
  5. Excelente artigo! Obrigado por compartilhar.
    Uma dúvida: você tem base de dados dos fundamentos? Gostaria de saber a relação P/L e P/VP na época do topo histórico do IBOVESPA em Maio de 2008.
    Será que "esticaram" bastante como os preços? Daria pra perceber também um sinal de saída?

    Obrigado mais uma vez.

    ResponderExcluir
  6. Achei essa pergutna do Rocky muito boa. Ao saber quais os sinais de perigo é possível ter uma saída sem maiores danos da bolsa.

    ResponderExcluir
  7. Olá Rocky, parabéns pelo ótimo blog. Em breve irei adicioná-lo à minha lista.
    Infelizmente é muito difícil ter um histórico confiável do P/L da bolsa brasileira devido às trocas de moedas e à alta inflação. Porém há um artigo muito interessante do HC Investimentos, onde ele fez o cálculo e explica qual métodologia utilizou. Vale a pena conferir. Abaixo está o link:

    http://hcinvestimentos.com/2011/06/27/pl-historico-do-ibovespa-metodologia-e-analise/

    pelo gráfico dele, o P/L da bolsa em maio de 2008 era de 17,99.

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Blz AdP! Bom que gostou, postei um link pra esse seu artigo.

      Muito bom também o artigo da HC, esclarecedor.

      Vamos nos falando.

      Abraço.

      Excluir
  8. Parabéns pela postagem AP, realmente muito boa.
    Não invisto de acordo com essa metodologia, mas tenho certeza que será útil para muitas pessoas.

    Abs

    ResponderExcluir

Anônimos, contribuem e deixem um nome para que seja possível outras pessoas fazerem referências, estabelecendo melhor a troca de ideias. Educação é sempre bem vista.
Mensagens de trolls serão moderadas.