quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Simulação de compras mensais – Souza Cruz


Dando continuidade à série de postagens de simulação de compras mensais, teremos como exemplo a Souza Cruz, líder no mercado nacional de cigarros, cujas ações são negociadas desde 1946.

Na última simulação, Zé Teimoso comprou incansavelmente ações da Embraer desde o ano 2000, obtendo resultados não satisfatórios. Se você não leu a postagem, clique AQUI para acessá-la.

Nesta simulação contaremos a história de Zé Abonado, primo do nosso personagem Zé Teimoso. Zé Abonado começou a investir no mercado de ações apenas 4 anos antes que seu primo.

Ele trabalhava na própria Souza Cruz. Em 1995 conseguiu um cargo que lhe garantia um salário de 500 reais mensais, mas sonhava com a ideia de ser independente financeiro. Ouviu algumas histórias de pessoas que investiram no mercado de ações e decidiu começar seus estudos. Como a própria empresa onde trabalhava possuía ações que eram negociadas na bolsa de valores, decidiu analisar a Souza Cruz.


Passou a se inteirar mais das atividades da empresa. Seus colegas perceberam que ele perguntava muito sobre os processos de fabricação e distribuição dos produtos. Zé Abonado sabia que sua familiaridade com a cultura da empresa era uma vantagem valiosa. Através de sua vivência, ele desenvolveu um feeling a respeito de diversos setores da Souza Cruz, obtendo uma ideia geral de como funcionava a empresa. Ele tinha acesso relativamente fácil à equipe de Relações Com Investidores (RI). Quando surgia alguma dúvida, ele ia diretamente a esta equipe. Mas nesse tempo, mesmo tendo acesso a empresa, ele nunca obteve qualquer informação privilegiada.

Ele decidiu também que era importante o aprendizado da leitura dos balanços. Através de alguns estudos ele aprendeu alguns indicadores e decidiu que era hora de colocá-los em prática. Como a empresa era negociada na bolsa, seus balanços eram públicos e ele conseguiu alguns com a equipe de RI. Zé observou que a empresa possuía uma relação P/L extremamente baixa, altíssimo Dividend Yield, boas margens e baixas dívidas.
O último passo era realizar a comparação da empresa com seus pares. Entretanto, no mercado brasileiro não havia mais nenhuma empresa do setor de cigarros que era negociada na bolsa de valores. Zé Abonado pesquisou  sobre empresas deste setor que eram negociadas no mercado internacional e acabou se deparando com a americana Philip Morris. Gostou muito do que viu.

Em 1950 as ações da Philip Morris eram negociadas ao equivalente a 75 centavos cada. Suas ações subiram então para US2,50 em 1961, U$17,50 em 1972 e chegou a bater U$124,50 em 1987. Em um período de 37 anos, o valor das ações se multiplicaram mais de 150 vezes, sem considerar os dividendos!
Ao analisar algumas atividades e operações entre a Souza Cruz e a Philip Morris, Zé Abonado observou que havia a possibilidade da Souza Cruz ser a Philip Morris brasileira. Entretanto, ele não queria investir durante 37 anos e não esperava ver seu dinheiro se multiplicar 150 vezes.

O grande ponto negativo que Zé Abonado observou era o forte lado pessimista do setor de cigarros. Os efeitos do cigarro no longo prazo eram conhecidos e havia uma forte veiculação de campanhas contra o tabagismo. Ele já contava com a diminuição da quantidade de fumantes ao longo do tempo. Havia a possibilidade de no longuíssimo prazo o cigarro ser apenas uma esquecida peça do museu. O único alento era de que, de acordo com sua análise, mesmo com o crescimento negativo do mercado americano, a Philip Morris se saiu bem. Zé Abonado decidiu que, se a empresa mostrasse sinais de que estava sofrendo com as vendas de seu produto, ele recomeçaria seus estudos a procura de outra empresa.

Em busca de sua independência financeira, Zé Abonado decidiu iniciar suas compras em 1996, seguindo os seguintes requisitos:
-Iniciaria sua compras em 2 de janeiro de 1996 com R$999,99 que estavam guardados na poupança.
-A contar de janeiro 1996, dos seus R$500,00 de salário, Zé guardaria R$333,33 por mês. Após reunir 3 meses de salário, ele juntaria este dinheiro com os dividendos recebidos no trimestre, e compraria tantas ações quanto puder. Este processo iria se repetir indefinidamente.
-Em toda virada de ano, seu aporte mensal sofre um aumento de 5,0%.
-Todas as compras terão uma comissão fixa de 2%. De cada 100 reais gastos, eram necessários desembolsar mais 2 reais como custos.
-Zé Abonado fez um acordo com seu corretor para que ele comprasse a maior quantidade de ações que puder no preço de fechamento do primeiro dia de cada trimestre. Ele pediu também para que o corretor fizesse apenas este trabalho e que não necessitava de quaisquer dicas, conselhos ou de notícias sobre a empresa.
-Os juros sobre o capital próprio (JSC) terão, como de costume, a sua retenção de 15% de imposto de renda.
-Para a realização desta simulação, todos os dados de cotação, dividendos, JCP serão de valores da época, retirados do site da Bovespa.

E então Zé Abonado iniciou seus investimentos:



No final do terceiro trimestre de 97, Zé sentiu que estava levando a sério seus investimentos. Finalmente atingiu a cifra de 1.000 ações de uma só empresa e recebeu uma boa quantidade de dividendos. Ele estava gostando de colocar em prática o termo “De grão em grão a galinha enche o papo". Continuou seus trabalhos na empresa e investindo seu dinheiro religiosamente.


Dos 5 anos investindo na mesma empresa, 4 anos a sua cotação estava andando de lado. E não apenas a cotação. Os lucros da empresa também estavam. Além disso, o governo acabou de anunciar que as propagandas de cigarro seriam proibidas, motivo suficiente para que a cotação despencasse. Zé Abonado reanalisou a empresa, percebendo que ela estava operando continuamente e que os dividendos estavam crescendo ano após ano. Além disso, a empresa ainda possuía ótimas margens e endividamento baixíssimo. Zé continuou investindo religiosamente parte do seu salário.


Finalmente a foi atingida a cifra de 10000 ações. No ano de 2006, Zé Abonado já estava com outro emprego em outra empresa, mas seus investimentos continuavam os mesmos. Seu aporte mensal era de R$542,96. Com o novo salário ele conseguia investir este dinheiro sem comprometer sua qualidade de vida. A popularização dos Home Brokers  possibilitou o investimento pela internet, a custos mais baixos do que ele praticava. Mas seu modo de investir já estava enraizado. Ele decidiu manter seus investimentos da forma como estão. A Souza Cruz cresceu muito no período e em 2006 ele recebeu R$21.167,07 em dividendos, o equivalente a R$1.763,92 por mês. Após fazer estas contas, Zé Abonado percebeu que seus aportes agora faziam menos efeito nos investimentos. Mesmo assim, seguiu seu planejamento inicial e continuou investindo.


A empresa estava crescendo a ritmo acelerado e as ações estavam cada vez mais caras. Aumentar a quantidade de ações estava se tornando uma tarefa árdua. Mesmo recebendo mais de 50 mil reais de dividendos em 2010, sua quantidade de ações não aumentou da forma como ele desejava. Em março de 2011 a empresa anunciou que faria um desdobramento de suas ações. Para cada ação que um acionista possuísse, ele receberia gratuitamente mais 4 ações. Como Zé Abonado possuía 14162 ações, após o desdobramento ele ficou com 70810. Zé Abonado percebeu que o preço das ações também foram reajustados para que valessem um quinto do que valiam, de forma que o patrimônio dele não se alterou com este desdobramento. Mas, por algum motivo estranho, Zé Abonado ficou com uma boa sensação, e já estava começando a pensar em sua aposentadoria precoce. Resolveu deixar estes pensamentos de lado e continuar com seu investimento.



Em 29 de dezembro de 2012, Zé possuía 78100 ações, cada uma cotada a R$30,81.

Hoje, Zé Abonado resolveu realizar umas contas:

Ele terminou o ano de 2012 com 78100 ações, cada com o preço de R$30,81. Logo, ele tinha R$2.406.261,00 de patrimônio em ações. Além disso, ele tinha R$1.208,21 de dividendos em caixa, provenientes do quarto trimestre de 2012.

Em todo o período, ele aportou R$103.360,43. Fazendo uma conta rápida, ele obteve um rendimento direto de 2229,1% no período sobre o que ele aportou.

Somente no ano de 2012, ele recebeu R$72.550,78 em dividendos, equivalente a R$6.045,89 por mês.

Pela Taxa Interna de Retorno (TIR), o rendimento médio que Zé Abonado obteve com as ações da Souza Cruz foi de 33,1% ao ano, o que representa um rendimento médio mensal de 2,41% ao mês.

Se Zé Abonado investisse apenas 300 reais em 02 de janeiro de 1996 e reinvestisse todos os dividendos, mesmo considerando todos os custos e imposto de renda sobre o JSC, estes 300 reais seriam hoje 1620 ações. Contando com os dividendos em caixa, estes 300 reais se transformariam em R$50.722,62 em 29/12/2012, equivalendo a um rendimento de 35,2% ao ano, ou 2,54% ao mês, pela TIR. Ele considera que mesmo se tivesse diversificado um pouco seus investimentos (e errado em algumas ações), ele estaria bem.

Hoje uma ação da Souza Cruz (CRUZ3) conta com um Dividend Yield (DY) de cerca de 3,0%. Mas como Zé Abonado é investidor de longa data, seu preço médio de aquisição por ação é de apenas R$7,14. Como a empresa distribuiu R$0,95 por ação em 2012, seu DY foi de excelentes 13,3%. Hoje, ao comprar ações da Souza Cruz na casa dos 30 reais, seu preço médio pouco se altera.

Zé Abonado decidiu parar de aportar e começar a gastar seus dividendos. No dia 8/2/2013 a Souza Cruz anunciou uma distribuição de R$0,523732 por ação. Pela grande quantidade de ações de Zé Abonado, ele receberá um total de R$40.903,46 no dia 26/04/2013. Deste montante, ele planeja gastar uma parte e reinvestir outra. Esta é apenas a primeira distribuição de dividendos do ano.

Se Zé Abonado desde o começo dobrasse sua taxa de aumento do aporte anual de 5% para 10%, hoje ele estaria com um patrimônio de R$2.853.410,74, ou 18,5% mais rico. Ele não sabe se valeria a pena comprometer um pouco a sua qualidade de vida para obter esta diferença.

No período de 17 anos a cotação da empresa multiplicou-se 28 vezes, sem considerar os dividendos. Não chega a ser a Philip Morris que Zé Abonado sonhou, mas ele continua contente da mesma forma.

Gostou da postagem? Divulgue e não deixe de comentar!

Lembrando que a historinha acima é fictícia, com objetivo apenas de simular um investimento de longo prazo na Souza Cruz. De forma alguma esta postagem indica compra, venda ou manutenção das ações da empresa.

91 comentários:

  1. Bem legal essa série de posts... ajuda a ver como é possível fazer fortuna com buy and hold, contanto que a pessoa tenha paciência... parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Nerd,
      É possível sim. Empresa lucrando é cotação subindo. Disciplina acima de tudo.

      Abraços e sucesso.

      Excluir
  2. Para quem quiser um escudo anti-Dilma é uma ótima opção! Tendo em vista que já fizeram de tudo p/ fuder com a indústria do cigarro. Não há mais o que fazer p/ prejudicar esse setor. Todavia, como visto, as ações continuam subindo...

    Um abraço,
    4P

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os clientes da empresa são fiéis. É um setor anticíclico e defensivo.

      Abraços

      Excluir
    2. sempre tem mais alguma coisa. são criativos quando querem destruir o trabalho alheio.

      Excluir
  3. Muito bacana o Post, espero que em um futuro próximo esse Zé do post seja você, eu e todos os outros que investem focados no Longo Prazo e no Buy and Hold.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também espero.
      Andei notando e estas empresas que sofreram grandes valorizações eram empresas bem menores do que hoje (dã! Óbvio, né). Por isso estou pensando em estudar mais algumas outras empresa para trocar algumas gigantes que eu tenho, como por exemplo a VALE5.

      Abraços

      Excluir
  4. Caramba AdP, que bacana...

    E é sempre a mesma coisa, a paciência é a alma do negócio, quem consegue ela, aliado a boas escolhas, estará feito depois de alguns anos.

    O problema é que a maioria é imediatista, aí reclamam o tempo todo que não conseguem conquistar as coisas.

    Agora pergunta para "eles" quanto gastaram no carnaval deste ano e deixaram de programar seu futuro.

    Abs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim. A paciência é a alma do negócio.
      Dizem que aporte é TUDO, mas acredito que disciplina e paciência são tudo. De nada adiantaria aportar tudo mas não manter o controle sobre o investimento.
      No exemplo do Zé ele ficou com a ação de lado por um bom período. Nem todo mundo aguenta isso.

      Abraços

      Excluir
  5. A cada imagem e texto, minha cabeça explodia. Post Sensacional!

    Parece até mágica ver algo assim acontecer. Anos de paciência levarariam a uma ótima recompensa. =]

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E olha que coloquei aportes pequenos e altas taxas de corretagem.
      Em 2011, por exemplo, ele gastou mais de 1400 reais em corretagens. Para quem faz apenas 4 compras por ano é muita coisa, não?

      abraços

      Excluir
  6. Acoro esse papel e a ho q agora sabem pq rsrsrs
    Sou contra cigarro, contra o mal q faz ao organismo, não fico perto de fumante, meu pai teve serias complicações por conta do cigarro e ja vi muito fumante com cancer e efisema, mas... informação não falta, todo mundo sabe desse discurso todo e se a criatura opta por deteriorar a propria saude vou fazer o que? Bater na cabeça dele dizendo que faz mal ou lucrar com o vicio?

    Ja fiz muito discurso do qto cigarro é prejudicial e percebi q fumante pouco se importa com isso, então, lucro com a opção alheia.

    Bela simulação :) e que venha o dia 26/4 !!
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho quase a mesma opinião que você Ostra, mas ainda não teria coragem de investir numa empresa dessa, apesar de saber que esse negócio de ética com ações é balela. Eu estou até preparando uma postagem sobre isso.

      Abraços

      Excluir
    2. Faz muito tempo que você tem ações dela, Ostra?

      Abraços

      Excluir
    3. AdP,
      Entrei em 2002, comprei mais em 2004 e aumentei a posição um pouco mais no inicio desse mês :P
      Infelizmente investidor tem q deixar a etica de lado na hora de investir, se for considerar a maioria esmagadora das empresas é prejudicial de alguma forma, deja p saude das pessoas ou p o meio ambiente.
      Ja pirei um pouco com esse papo de ética (um pouco estou sendo simpatica kkk)
      Bjs

      Excluir
    4. 2002? Que boa escolha, Ostra. Parabéns!

      Abraços

      Excluir
  7. Espero que tenha a metade desse rendimento e que meus colegas tb consigam chegar aos seus objetivos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa empresa tem multiplos fundamentalista considerados altos, mas como teve aumento de lucro seus acionistas estão rindo a toa. Comecei a selecionar empresas com esse perfil e que tenham vantagens competitivas comprovadas pelos produtos de qualidade. Gostei muito desse post e dessa forma que enriquecemos a blogosfera. Parabéns sou seu leitor assíduo

      Excluir
    2. Sim seus múltiplos estão altos.
      mas eu andei brincando um pouco com os dados dela de 1996 e descobri que nessa época o P/L da ação era de cerca de 4.
      Se você verificar a primeira tabela, de 3000 reais investidos ele recebeu 400 reais em proventos, o que daria uns 13% de DY. Ela tinha margens boas, dívidas bem baixas e uma clientela fiel. Mas o mercado era muito pessimista com ela.
      Acredito que este é um dos perfis de uma vencedora, ao estilo Peter Lynch. Pouco acompanhamento de corretoras (na época) e setor com crescimento negativo são exemplos. Um setor podre de hoje é o setor imobiliário, mas isso não quer dizer que estou sugerindo algo, kkkkkk.

      Abraços

      Excluir
  8. Infelizmente na nossa bolsa não temos dados da década perdida de 80. Acho que uma análise desse período tem mais a ver com o que estamos vivendo. De 96 pra cá até PMAM3 deu lucro. E que fique bem claro que foi na década perdida que os maiores investidores PF de hoje iniciaram suas carteiras :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não entendi porque o mercado da década de 80 tem a ver com a nossa. acho que os realidades são totalmente diferentes.
      E mesmo em um mercado estagnado, empresas boas continuarão a ser boas e empresas ruins continuarão a ser ruins.
      A Souza Cruz por exemplo está aí desde 1903 e já passou por diversas realidades que não vale a pena nem citar.
      E eu não entendo qual a relação de PMAM3 nisso. PMAM3 é uma empresa ruim como sempre foi. Margens baixissimas e com resultados que nem um vaga lume, hora lucra, hora prejuízo. Não é porque uma empresa foi da moda ou bastante negociada que ela tinha bons fundamentos, concorda? OGXP3 por exemplo é bastante negociada mas não tem fundamentos, apenas promessas. Daqui a 10 anos, se tudo der errado com a OGXP3, vale a pena colocar em xeque a estratégia de compras mensais só porque ela era bem negociada, mesmo com fundamentos ruins?

      Sobre os maiores investidores PF de hoje, eu não desejo ser algum deles.
      Uma vez conheci um cara que tem ações hoje de diversas empresas gigantes, como por exemplo BBAS3, CSNA3, BBDC4, VALE5, dentre diversas outras. Só que ele investiu desde a década de 90. Ele por exemplo comprou muitas ações da Brahma. Hoje ele investe 100% em ações e na crise de 2008 ele estava rindo a toa.

      Abraços e sucesso.

      Excluir
    2. Meu ponto foi que uma simulação em forte Bull Market é animadora e esperançosa. Na década de 80 eu imagino que mesmo as boas empresas apanharam e não tiveram boa rentabilidade para quem investiu nelas. Mercado em pânico não separa o joio do trigo. Mas, infelizmente não temos dados desse período para simular.

      PMAM3 sempre foi ruim a partir de 90. Antes disso era A Blueship do nosso mercado. Junto com TELB. Hoje é fácil dizer que era ruim. Mas na época quase todo mundo tinha em carteira. Não sei dos fundamentos dela na época mas pelo que ouço falar era a "VALE" da década de 80.

      O seu amigo investidor pegou o fundo do mercado para investir. Pegou todo o ciclo de alta onde quase tudo deu 2000%. Eu acredito que daqui a 6 anos comece um novo ciclo assim. E aí seremos nós rindo a toa na próxima crise.

      Eu não estou colocando em xeque compras mensais. Só estou dizendo que com os dados que temos tudo é maravilhoso.

      Um bom exemplo pra simular: LIGT3. Pelo GrapherOC tem dados desde 01/1994.

      Nunca foi um primor de empresa mas é conhecida, defensiva e pode dar uma idéia de como se comportar recebendo dividendos mas vendo o principal encolher.

      []'s

      Excluir
    3. De novo amigo, empresas boas lucram e a cotação sobe. Empresas ruins penam e a cotação não anda.
      Essa teoria de forte bull market não convence. Você viu minha postagem sobre compras mensais da Embraer?
      Ela sim passou por um período onde a bolsa estava em um forte bull market, mas seu desempenho perdeu de lavada para a poupança. Por que você não falou sobre isso na simulação da Embraer?

      E de novo, não é só porque "todo mundo" tem uma ação que quer dizer que ela tem fundamentos bons. Você está confundindo popularidade com fundamentos.

      Eu não sei de onde você está tirando seus dados, mas não, eu não peguei em nenhum fundo. Em 2000 passamos por uma crise e a bolsa ficou minguando por um bom tempo. E quando pegamos um período longo da bolsa, é natural que peguemos crises e bonanças.

      E você citou tanto a década de 80. Mas de onde você tirou que a década perdida de 80 foi ruim para a bolsa? Nessa década a bolsa oscilou de 500 pontos para 4000 mil. E se mesmo se fosse ruim, um cara que investiu na "década perdida", quando a bolsa estava a 400, estaria relativamente bem hoje com a bolsa a 60000 pontos.

      Da mesma forma que você não está colocando em xeque as compras mensais, eu não estou glorificando. Foi apenas uma simulação de compras mensais, da mesma forma que fiz da Embraer e que foi um fiasco. Nem estou dizendo que tudo é maravilhoso. Qualquer estratégia é passiva de erros e falhas. Só não entendo porque citam tanto as empresas populares ruins para tentar desmascarar estratégias alheias. Daqui a uns 15 anos, se a OGXP3 falhar, vão ficar citando ela como um exemplo de falha da estratégia de compras mensais, só porque era popular.

      E sobre a LIGT4, eu já fiz a simulação de Embraer. Embraer nunca foi empresa boa, apesar de ter sido popular. Margens fracas, lucros oscilantes, dividendos fracos. LIGT3 é pior ainda. Altamente endividada. Margens porcas e lucros decrescentes. Se você mesmo disse que ela nunca foi um primor de empresa, qual o interesse de fazer uma simulação dela e não das outras elétricas? E mesmo se uma pessoa investiu em LIGT3, o que impediria de ele ter investido em outras empresas, como a grande maioria faz?

      Eu vou ficando por aqui. To vendo que o papo vai ser longo, mas sem destino.

      Abraços e sucesso.

      Excluir
  9. ADP, muito bacana esse post, espero poder colher Frutos no longo prazo, abrindo mão de certas extravagâncias, para ter um futuro mais tranquilo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também espero colher frutos no longo prazo. Mas como vimos na postagem, eles demoram a aparecer. Paciência é fundamental.

      Abraços

      Excluir
  10. Daí vão vir dizer "olhar pro passado é fácil".

    Inacreditável! rsrsrs

    Souza Cruz é uma empresa incrível. Um dos problemas do pequeno investidor é não ter capital suficiente para investir em todas as empresas q ele gostaria.

    Eu acho que gostaria de ter umas 30 em carteira, mas não seria possível... rs

    []s!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu gosto de conversar estratégias, mas sem radicalismo. Conversar estratégias é uma coisa, mas ficar em guerrinha de estratégia é outra. Desse tipo de conversa eu prefiro ficar de fora.

      Abraços

      Excluir
  11. Belo post, eu também tenho projeto de ter pelo menos 20 empresas na carteira e mais alguns ativos, o problema é o dinheiro pra comprar tudo isso!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Falta grana, né. Eu queria aumentar posição nas minhas, mas me falta di$posição.

      Abraços

      Excluir
  12. Muito boa a análise. Imagina se o Zé Abonado tivesse um salário melhor e pudesse ter aportado 5x mais, R$ 1.600,00, hoje ele teria 12mi, aí sim já daria para aposentar com boa margem de segurança.

    É triste ver que uma oportunidade dessas passou enquanto eu direcionava meu dinheiro para outros investimentos. A empresa é boa, mas o problema é que quem está começando a investir na bolsa agora vai pagar muito caro pela cruz3, seus múltiplos são muito esticados.

    O preço vai continuar subindo? provavelmente, mas não na velocidade de outrora, senão daqui a pouco P/L vai passar de 100. O mesmo vale para ambv4. Essas decuplicações não vão se repetir mais para essas empresas. Sei que muita gente vai me odiar por dizer isso.

    Como você bem disse Adp, o P/L era 4 e não 30 como hoje. Então o negócio é buscar pequenas e médias boas empresas com baixo P/L. Mas quais são elas? Difícil, tem tão poucas.

    abraço,
    PB

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, também acredito que ela não brilhará tanto quanto seu passado. Ou se brilhar, vai brilhar de forma mais vagarosa.
      Também estou querendo focar em empresas menores, apesar de grande parte das que invisto já serem. Apesar de gostar muito da empresa, estou querendo trocar a minha VALE5, mas com calma.
      Empresas com P/L baixo na maioria das vezes possuem um problema ou baixa perspectiva de crescimento, ou crise sistêmica. O colega acima citou uma com boas margens, bons dividendos e baixo endividamento, mas todo mundo sabe o porquê dela ser discontada.

      Abraços

      Excluir
    2. Eter3 é uma boa empresa a um bom preço. Eu tenho ela. Porém, mesmo que ganhe a questão do amianto não acho vá crescer dezenas de vezes nos próximos anos. Na verdade isso já ocorreu com ela. Quem comprou em 1998 multiplicou por 34 seu patrimônio, claro que reinvestindo todos os proventos. Não vejo para onde ela possa empurrar tanto amianto daqui para frente a ponto de aumentar sua receita dezenas de vezes.

      A vale5 é uma boa empresa a um quase bom preço. Mas ela é blue chip demais, isso afasta a possibilidade de novos grandes crescimentos. O grande crescimento dela também já ocorreu. Ela tem 25% de market share do minério de ferro no mundo. Ou seja, mesmo que dominasse o mundo com o seu ferro, poderia no máximo quadruplicar sua receita (mantido o preço atual do ferro). E isso não vai ocorrer por questões estratégicas dos compradores de impedirem o monopólio dela, mesmo que ela tenho o menor preço do mundo.

      Friso que estou discutindo tendo como base esses casos raros de aumentos de dezenas de vezes. Aumentos de 50%, 100%, 3x, isso é mais normal e possível de garimpar.

      Eu tento tento mas não consigo ver uma empresa hoje com essa capacidade de decuplicar.

      abraço a todos

      Excluir
    3. Sobre a Eternit, devemos lembrar que ela é lider no mercado de telhas, mas nada impede que ela desmembre suas atividades. Na verdade, ela já está fazendo isso. O objetivo dela é fazer produtos que contemplem do piso ao teto. Já está em processo de diversificação de seus produtos e fazendo um parcerias para expandir. Ela tem apenas um valor de mercado de 0,7 Bi. Nada impede que ela cresça.
      Lembrando que o que eu disse são apenas conjecturas, não sendo recomendação nenhuma.

      Abraços

      Excluir
    4. Primeiro Bilhão,

      Só pq uma empresa cresceu muito ela não pode crescer mais?

      O mercado mundial ainda irá crescer por séculos. O dia que a África começar a se ajeitar sério, haverá todo um novo continente sedento por produtos e serviços.

      A baixa rentabilidades em outros lugares já levou a 1a guerra por este continente. Não digo que isso ocorrerá nessa época, mas este é apenas um dos exemplos de falar que não crescerá muito não faz muito sentido...

      E eu acho que a Vale ainda pode crescer MUITA coisa...

      []s!

      Excluir
    5. Dimarcinho, você está se referindo ao crescimento vegetativo. É claro que ele existe, mas é pequeno, poucos porcentos ao ano, pois segue em geral o crescimento demográfico e econômico.

      Porém volto a repetir que estou me referindo a crescimentos de 10x para cima, o que é mais de 900%, como foi o caso da cruz3 de 27x. Nesse caso o mais comum crescer a receita por aumento do market share, portanto desalojando um competidor, e crescendo margens por meio de eficiência em seus processos. Nunca que o consumo de cigarro aumentou 27x no Brasil, até porque o consumo per capita é que vem caindo.

      http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/observatorio_controle_tabaco/site/home/dados_numeros/consumo_per_capita

      Quando uma empresa já tem market share alto, ela não tem para onde crescer muito mais, a não ser que ela entre em novos mercados, outros países ou outros produtos. No caso da vale ela tem 25% do mundo todo. Assim seu potencial é de no máximo quadruplicar sua receita com ferro, além é claro do crescimento vegetativo. Sobra para ela investir em outros metais, mas mesmo assim acabará fazendo concorrência a si mesmo, pois alguns metais são bens substitutos do ferro, como o alumínio.

      abraço,
      PB

      Excluir
  13. souza cruz me lembra um pouco eternit, se o amianto for banido aos poucos acredito que a empresa pode dar uma bela subida

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também me lembra, mas devemos lembrar também que muitas outras empresas da bolsa brilharam sem ter um grande problema. Resta ao investidor analisar para ver se vale a pena a compra.

      Abraços

      Excluir
  14. Tb com esse lindo gráfico...
    http://www.fundamentus.com.br/cotacoes.php?papel=CRUZ3

    em 13 anos 2000-2013 deu uns 2,4% em média por mês.


    Não sei se vc conhece essa calculadora.
    https://www3.bcb.gov.br/CALCIDADAO/publico/exibirFormCorrecaoValores.do?method=exibirFormCorrecaoValores&aba=1

    com ela dá pra estimarmos a inflação de qualquer período.

    abs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse gráfico do Fundamentus é o gráfico com o desconto dos dividendos. A média de crescimento é esta mesma.

      Essa dica da inflação eu não conhecia. Agora está nos meus favoritos.

      Abraços

      Excluir
  15. Olá, AdP!

    Você está de parabéns. O conteúdo do seu blog é um dos melhores do Brasil na área de investimentos. E a qualidade dos posts está melhorando cada vez mais.

    Acho que um dos segredos do sucesso do investimento no longo prazo é encontrar as futuras blue chips nas small caps do presente e ter paciência e disciplina para acompanhar os seus fundamentos, não se preocupando com as oscilações normais dos preços das ações no curto prazo.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo apoio, Monteiro.
      Abraços e sucesso.

      Excluir
  16. Muito bom artigo.

    Também estou pensando sobre como identificar as empresas "pequenas" que poderão ser as gigantes do futuro.

    Tem alguma recomendação de estudo de small caps?

    Abraços!
    Ganhando Muito

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Complicado indicar algo, amigo. Comece olhando as empresas que compõem o índice SMAL11 e fique de fora das empresas de aviação.

      Abraços

      Excluir
    2. Estou olhando as do SMAL11. Verifico rapidamente no site do Bastter.

      Nessas pesquisas encontrei a Crazziotin (http://www.bastter.com/mercado/acao/CGRA.aspx). Empresa beeeem pequena mas com fundamentos legais.

      Gostaria de entender se essas empresas exigem uma análise diferente. =S

      Abraços!

      Excluir
    3. CGRA possui bons fundamentus e está com um plano agressivo de crescimento. Vale a pena dar uma conferida. Só que particularmente não gosto do setor.

      Abraços

      Excluir
  17. Excelente post.
    Me fez tirar pelo menos duas conclusões:
    1- que quando os fundamentos da empresa são bons, não há porque não se investir nela. Mesmo com pessoas dizendo que "está caro". Ou que o P/L já está alto, mas na verdade o céu é o limite. Como no exemplo da própria Souza Cruz. A P/L de 4 aquela época de 96, mas a empresa existe desde 1903. Se tivesse como ver a cotação daquela época, se é que existia, ng iria imaginar chegar ao tamanho que tem hoje. Portanto P/L não pode ser parâmetro para eliminar uma compra.
    2- disciplina e planejamento é tudo. Se quisermos ter sucesso em alguma coisa temos que planejar passo a passo e seguir o planejado. A priori deve-se definir através do estudo dos fundamentos das empresas em que pensamos em investir. Planejar a forma de investir nela e logicamente que verificando os resultados de tempos em tempos.
    Inclusive gostei dessa ideia de aquisições trimestrais.
    Assim vc dilui bem durante o ano e dá oportunidade de diversificar em vários ativos. Injetando capital cada mês em duas ou três diferentes para criar uma boa diversificação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1-Sim, tem razão. O Zé da postagem ficou comprando topo desde 2001 e a empresa continuou sua subida. Eu já tive esta visão de excluir empresas com P/L alto, mas hoje eu vejo de forma diferente. Se ela tem P/L alto mas é uma empresa de crescimento, pode ser uma boa comprá-la, desde que não tenha um P/L absurdo e desde que seu crescimento compense o P/L alto. mas vai de cada um.
      2-Disciplina é fundamental. Pode-se estudar diversos livros, mas se o investidor não for disciplinado, não adianta.
      Essa "ideia" de compras trimestrais na verdade só foi para facilitar a realização da simulação. Pegar a cotação de todos os meses do período seria um trabalho mais cansativo, com resultado semelhante. Além disso, ficaria uma tabela gigantesca, e a postagem seria maior ainda. Os aportes trimestrais não foram uma dica, apesar de ser uma boa ideia para quem tem pouco dinheiro para aportar mês a mês.

      Abraços

      Excluir
    2. Oi Offshore, você me citou indiretamente, então me deixe tentar explicar porque penso que cruz3 e ambv4 considero as caras. Vou falar da ambv4, mas a justificativa serve para cruz3 também.

      Para um aumento de dezenas de vezes no preço da ação, o lucro dela deve acompanhar esse aumento. Não vai ser no mesmo ritmo, mas tem que ir atrás. Se o lucro ficar estável e o preço aumenta, o P/L vai subir e isso significa que os investidores estão antecipando um lucro futuro maior. Porém esse pode ou não ocorrer. Esse aumento é movimento especulativo.

      Para que o lucro aumente, ou a receita aumenta ou as margens aumentam, ou dois de preferência. Como ambv e cruz já tem margens altas, significando que tem processos eficientes, vou considerar que essa variável é fixa por não ter como melhorar essas margens. Sendo assim, sobra aumentar a receita.

      A receita se aumenta vendendo mais ou vendendo mais caro, ou os dois de preferência. Vender mais caro cerveja é difícil, pois é um produto supérfluo (nada contra mas nas escala de consumo existem prioridades maiores) e tem muitos concorrentes, então sua elasticidade de preços é maior que 1, portanto a tentativa de aumentar os preços X% faz as vendas caírem mais de X%, consequentemente reduzindo a receita. Então sobra vender mais.

      Mas a ambv já tem 65% de market share no Brasil. Assim fica impossível aumentar a receita dela dezenas de vezes, porque teria um teto natural, o tamanho do mercado, logo ali de 50% maior que a sua receita (1,5 x 65% = 100%). Dominar o mercado não adiantaria, nem acreditamos nisso né? Sobra o crescimento vegetativo no mercado, mas que também não vai aumentar a receita no nível que estamos falando. O boom da Ambv já ocorreu, rendeu de 2000 para cá 27 vezes. Creio que o raciocino da vale serve para cruz3, que tem 62% de market share (pesquisando rapidamente no Google).

      Para eu comprar uma empresa com P/L alto, tipo de 25x para cima, e que eu considere com potencial de valorização de dezenas vezes, eu teria que vislumbrar a possibilidade da receita também crescer dezenas vezes. Assim, isso teria de ocorrer com pequenas empresas, que teriam por exemplo 0,4% de market share, porque se o share crescer em um década para 6%, ainda que isso signifique que ela continua sendo um pequeno player, sua receita já terá crescido 15 vezes (6/0,4), mantida todas as outras variáveis constante, e o seu preço crescido provavelmente mais de 15 vezes ainda. Grande player não tem para onde crescer, a não ser que adentrem outros segmentos.

      Novamente, estou fazendo uma análise considerando a possibilidade de supervalorização de ações. Longe de eu achar que essas empresas são ruins ou que seus preços vão cair. Pelo contrário.

      Abraço
      PB

      Excluir
  18. Fala ADP,
    Excelente post e excelente série!
    Tem uma parecida no livro "Investindo em Ações em 25 Episódios" do Portinho. Aliás, um belo livro...
    Mas é exatamente o que tu colocou. Disciplina acima de tudo e força de vontade.
    Não podemos perder o foco e devemos nos manter nos estudos. A recompensa virá no futuro!
    Abraços e parabéns pelo trabalho!

    Pobre Poupador
    www.pobrepoupador.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tô ligado nessa crônica do Arnaldo. O Portinho fez a sua continuação, que poderá ser lida aqui:
      http://alemdapoupanca.blogspot.com.br/2012/10/16-anos-investindo-na-bolsa-historia-de.html

      Essa crônica foi o start para meus estudos fundamentalistas.

      Abraços

      Excluir
  19. Parabéns pelo post, bastante elucidativo.

    da última vez que vi algo parecido foi com um PDF da INI, com ações da VALE.

    Parabéns pelo post novamente, gostei bastante!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este artigo do INI eu tinha lido. è o mesmo que eu passei logo acima. Obrigado pelo apoio, RW.

      Abraços

      Excluir
  20. ótimo post, Adp!

    Andei lendo em artigos que estas empresas que são de consumo não cíclico ( como Ambev, Natura..e Souza Cruz) já cresceram muito..e no entedimento do mercado financeiro ( em geral) já não existe mais tanta margem para mais valorização..

    Será??

    Eu sou novata... mas questiono se essas empresas não teriam potencial para crescer mais.. enfim..

    Abraços!
    Jovem Investidora

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não existe isso de não ter tanta margem para valorização. Essas empresas sempre ficam preocupadas em aumentar os lucros, mesmo que sejam gigantes.
      Imagine a Microsoft dos anos 98. Ela já dominava o mercado de SO. Não tenho dados, mas se compararmos a Microsoft daquela época com a Microsoft de hoje, estaremos vendo empresas diferentes. A Apple há pouco tempo foi a empresa com o maior valor de mercado do mundo, mas mesmo assim, duvido que eles não tenham uma equipe capacitada e preocupada em aumentar ainda mais seus lucros. Há quanto tempo a Coca-Cola não domina o mercado mundial de refrigerantes? Mesmo assim ela vem reportando lucros crescentes.
      E estes exemplos são de empresas om abrangência mundial. Ainda há espaço para Ambev, Souza Cruz e outras crescerem sim. Para ganhar mais dinheiro, o ser humano sempre arruma um jeito.
      Não se preocupe muito em como a empresa expandirá sua capacidade. Quem tem que se preocupar com isso são os funcionários da empresa, que são capacitados e muito bem pagos por isso.
      O que alguns dizem é que dificilmente veríamos uma Microsoft, IBM, Coca-Cola ou Apple multiplicar sua cotação por 10 em um curto espaço de tempo. Isso é mais fácil de visualizar com empresas pequenas. Mas empresas pequenas possuem seus riscos, então cabe ao investidor saber pesar. Na dúvida, tenha empresas de vários tipos, grandes, médias, pequenas, etc. Diversifique.

      Abraços

      Excluir
  21. bem, certa vez olhei uma foto antiga da minha vizinhança...moro perto da praia e só via coqueiros na tal figura, praticamente não tinha ruas, existiam poucos carros. Hoje em dia, mal acredito na diferença entre passado e presente, mas quem acreditou, comprou lotes e mais lotes e tá rindo à toa hoje em dia...Quem imaginaria os prédios? Quem imaginaria uma urbanização tão rápida? Trazendo essa conversa fiada para o mercado acionário, as vezes duvido - assim como reluto a admitir que o local onde moro era praticamente um deserto - que teremos empresas brasileiras, digamos, com valor de mercado maior que 1 trilhão. Acontece que quando olho pra trás, vejo de quanto eram os lucros trimestrais de algumas empresas e imagino que na época cogitar um lucro bilionário chegou a ser um sonho, acho que muitos investidores fizeram as mesmas perguntas que fazemos hoje em dia...Hoje, lucro bilionário é normal para algumas cias. O que quero dizer é que é difícil imaginar uma empresa grande multiplicar de valor, mas podemos nos surpreender no futuro, pois o ser humano é feito para suplantar desafios, e, invariavelmente os consegue.

    Apesar disso, óbvio que é mais fácil uma smallcap conseguir uma multiplicação das cotações, mas acho que uma cruz3, ambv3 é uma aposta mais segura em uma carteira diversificada, mas que pode ser também rentável. A própria ambev, salvo engano, no 3t12 reportou um lucro líquido 50% superior ao 3t11. Muito forte e surpreendente.

    vamos em frente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. To lembrado deste reporte de lucros da Ambev. Eu fiquem espantado. E a menina não para de subir.
      Sim, concordo que o pensamento óbvio é de que é mais fácil uma smallcap multiplicar sua cotação, mas uma vez li um livro do Ken Fischer qy ben sempre este consenso óbvio é verdade. Pelo menos faz a gente refletir. A Ambev é um exemplo disso. Ela já é gigante há um tempão, mas está multiplicando sua cotação.

      Abraços

      Excluir
    2. Concordo! podemos fazer analogia com os bancos, todos os anos reportam lucros recordes. Muitos pensam q a partir dai os lucros vão diminuir ou estagnar. Mesmo no último ano com os problemas intervencionistas alguns bancos reportaram lucros recordes. Ou seja o futuro não temos como saber, mas empresas boas continuarão boas, e tem toda capacidade para realizarem lucros crecentes ano após ano.

      Excluir
  22. a história de arnaldo mudou a minha vida. Acreditei no buy and hold a partir dali...ótimo alguém se prontificar a fazer semelhante estudo com outros ativos. muito obrigado!!! Em tempo, tem certeza de que os gráficos do fundamentus descontam os dividendos? Parabéns!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho certeza. Eu tenho os dados da cotação verdadeira da época, que são os dados da postagem. O fundamentus desconta os dividendos e faz ajustes de desdobramentos. Você não percebe, por exemplo, este evento do desdobramento olhando o gráfico. E os programas que mostram o gráfico das ações também o fazem, inclusive os do Home Broker.

      Abraços

      Excluir
  23. AdP muito bom o post!
    Sempre acompanho seu blog e aprendo muito com seus posts, pra mim a melhor serie que ví foram sobre os polemicos ETFś.
    Esta serie também tem sido por de mais valia para todos nós pequenos investidores mas existe algo que me incomodou no post:
    Com o salario de 500 reais em 1996 (salario minimo de 100,00) ele tiraria 66% do salario para aportar com assim???? do que viveria??? já no final os aportes são mais condizentes com a realidade má é como se hoje ele vivesse com aproximadamente 1500 reais e aportasse quase 2000,00 reais isso comprometeria a qualidade de vida dele é pior que o pobretão way of life. Dificil acreditar que alguem faria isso com rarissimas exceções.

    De qq forma parabéns pelo blog só aco que seria adequado os aportes serem mais condizentes tipo uns 100 ou 150 reais por mês e com um bolo trimestral aportar.

    Abraço
    Bracop

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Vitor, obrigado pelo apoio.
      Não é difícil explicar o grande aporte dele de 66%. Isto pode muito ser bem admitido caso o Zé morasse com os pais.
      Fazendo alguns cálculos:
      Os 500 reais de salário do Zé são equivalentes hoje a R$2360,77, que poderia ser um salário de alguém formado em alguma faculdade.
      Destes 2360 reais, ele aportaria 1573 e ainda sobrariam 786 reais. Não parece muito, mas se ele morasse com os pais, daria para ele se divertir um pouco.
      O final seria como se ele já tivesse mais gastos, talvez com uma família para sustentar. Por isso porcentagens maiores no começo e aportes brandos no final.

      De qualquer forma, é apenas uma simulação com o objetivo de demonstrar os efeitos dos aportes mensais na empresa. Seu resultado também seria bom caso aportasse menos.

      Abraços e sucesso

      Excluir
    2. Sim entendo, foi um belo trabalho! O que eu achei fantástico no final foram os dividendos...

      Abraço!

      Excluir
  24. Grendene AdP... Grendene....

    ResponderExcluir
  25. Muito interessante o estudo!
    Só como uma ideia, depois que você já tiver simulado algumas empresas poderia simular algumas carteiras, fazendo um mix de tudo!
    Muito poucas pessoas investem em uma única empresa, e os melhores resultados são os que normalmente são usados como exemplo.

    Abração

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fazer a simulação de um grupo de ações dará maior trabalho, mas vou anotar aqui a sua ideia.
      Abraços

      Excluir
  26. Adp, meu novo endereço:

    http://oinvestidoridiota.blogspot.com.br/

    Abraços.

    ResponderExcluir
  27. AdP, me ajuda aqui em uma coisa : caso eu queira ficar rico no longo prazo com ações (e, claro que eu e a torcida do cúrintia queremos), devo escolher empresas boas, com lucros crescentes, dividas sob controle e todo aquele blabláblá do Bastter. MAS, se eu ainda por cima quiser otimizar essa tatica, escolhendo um rol de 8 ações de boas empresas e escolher que neste mês invisto na empresa um, no mês seguinte na empresa seis BASEADO na precificação creio que o resultado para a IF se tornaria um pouco mais curto. Quero dizer o seguinte, ao invés de pulverizar um aporte 4k em 8 empresas, eu concentrar os 4k neste mes em uma empresa cuja cotação me deu uma maior oportunidade. Tudo legal, acho que essa ideia é interessante, mas um detalhe me atrapalha a implanta-la : não sei como precificar corretamente uma ação. Será que vc poderia dar um exemplo real de uma empresa (pode ser de repente alguma de sua carteira). Agradeço a ajuda!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amigo. Só se esqueceu de se identificar.
      Com precificar você quer dizer o que? Estabelecer um preço justo para uma ação? Se for isso, não sou a pessoa certa a te indicar, pois minha estratégia não possui métodos de precificação de ações. O que estabeleço é que a empresa na qual invisto possui, de acordo com minha análise, chances de ser mais lucrativa no futuro, e que por isso o preço de hoje está abaixo do que estaria justo, mesmo que eu não estabeleça qual seria exatamente o preço justo da empresa.
      Ou seja, compro um empresa hoje quando acho que ela crescerá e que hoje vale menos do que deveria, sem necessariamente saber o exato valor justo. Para mim já basta saber que está abaixo do justo, e não qual seria o valor justo.
      Lembrando que esta é a minha visão, mas acho legal também a estratégia de estabelecer o valor justo das ações, apesar de não praticar isso.
      Quanto a sua estratégia de investir em uma empresa que você julga estar mais barata no mês ou com cotação mais interessante, quero te lembrar que não há a estratégia mais certa e mais lucrativa. Eu não utilizo isso (apesar de não descartar esta possibilidade), mas isso não quer dizer que eu estou certo. Faça algumas simulações para ver se vale a pena seguir esta estratégia. Lembrando que mesmo que uma ação esteja no topo, isso não é motivo para não comprar. No exemplo da postagem, a empresa está no topo desde 2001. Um investidor que esperasse um momento melhor para entrar poderia estar esperando durante 12 anos.
      O importante é você estabelecer uma estratégia inicial. Com o tempo a gente vai amadurecendo e a gente vai aprimorando nossas estratégias.

      Espero que eu tenha ajudado.

      Abraços e sucesso

      Excluir
  28. Mais um blogueiro que se vai....
    Descanse em paz "aposentandoem2038.blogspot.com".

    Investir aos 40 tá quase lá também...kkk

    ResponderExcluir
  29. Passando denovo só pra avisar:

    Os blogueiros dos seguines sites ficaram com medo do acontecido ao I40 e se retiraram da blogosfera. A galera que quiser acessar estes sites, ou o tal do ráquer que 'cutucou' o I40, favor usarem o cache do Google que terão boa parte das versões dos sites por lá.
    Além disto, se não tiver no cache, ainda existem as versões salvas destes sites em outros serviços ou máquinas dos usuários.É só pedir aí pra galera postar.

    Segue os sites:
    aposentandoem2038.blogspot.com
    cultodaostraazul.blogspot.com
    oidiota-kaschperl.blogspot.com
    paoduroinvestidor.blogspot.com.br
    residenteinvestidor.blogspot.com.br

    De certa forma, acaba sendo uma limpeza na blogosfera, reduzindo a quantidade e ficando somente aqueles que tal qual o mercado financeiro, tem capacidade de sustentar suas posições mesmo diante da queda livre de suas ações.
    A estes que continuam, meus parábens.

    Ass:
    Poney Investidor

    PS: Por favor, não vamos voltar a idade da pedra e usar porcentagens..valores reais ainda são o grande fator pelo qual os investidores iniciantes enxergam e comparam seu desempenho com o dos seus "ídolos".

    Fico imaginando se o "Viver de Renda" só usassem porcentagem!
    Acho que eu nunca teria entrado na bolsa, seria daqueles moleques criados pela Vó ! kkkk

    Se quiserem dicas de segurança, já postei em outro site algumas:
    http://aprendizinvest.blogspot.com/2013/02/alteracao-na-politica-de-divulgacao-do.html?showComment=1361241917208#c2798967724459901905

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Apenas mudei o endereço:

      http://oinvestidoridiota.blogspot.com.br/

      Abraços.

      Excluir
    2. Puxa vida que pena que Linda Ostra saiu de cena. A blogosfera perde muito com sua saída, mas é vida que segue.

      Paulo M

      Excluir
    3. O maior golpe da blogosfera foi a perda do blog da Ostra. Espero que ela e o Sr Ostra conversem melhor e voltem atrás desta decisão feita sob cabeça quente. Ou pelo menos que que ela comente nos blogs, apesar de não ser a mesma coisa.

      Abraços

      Excluir
    4. AdP não estou entendendo direito procurei hoje o blog da Ostra e não achei e agora vi essa mensagem de que vários blogueiros se foram, poderia me explicar o que está acontecendo?

      Abraços!

      Excluir
    5. O Corey fez uma postagem sobre isso:
      http://coreyinvestidor.blogspot.com.br/2013/02/sobre-privacidade-e-mudancas-no-blog.html

      Está bem explicado lá.

      Abraços

      Excluir
    6. Adp, você continuará divulgando sua carteira com valores ou vai mudar para porcentagens?

      Estou pensativo ainda =S

      Abraços!
      Ganhando Muito

      Excluir
    7. Vou manter do jeito que está.

      Abraços

      Excluir
  30. ADP você pode explicar melhor como funciona a retenção de 15% do JSCP??
    Quando recebo isto da corretora já vem descontado os 15%? É necessário declarar no IR?
    Sugiro um post sobre como declarar tudo de ações no IR se não for muito trabalhoso, a questão de dividendos e jscp me traz duvidas hehe.

    No mais OTIMA postagem, parabéns pelo esforço.

    abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dá uma olhada nestes links. Acredito que responderão todas as suas dúvidas.

      http://www.blogdoinvestidor.com.br/investimentos/como-declarar-acoes-no-imposto-de-renda/

      http://www.blogdoinvestidor.com.br/investimentos/como-declarar-os-fundos-imobiliarios-no-imposto-de-renda/

      http://www.blogdoinvestidor.com.br/investimentos/como-declarar-o-tesouro-direto-no-imposto-de-renda/

      Excluir
    2. Já vem descontado sim.
      Fiz uma série mastigado sobre dividendos:
      http://alemdapoupanca.blogspot.com.br/2012/08/serie-mastigado-preco-dividendos.html
      Aborda também como declará-los à Receita.
      Já me pediram também para fazer uma ´serie mastigada sobre imposto de renda, mas o tema é muito complexo para ser feito as pressas. Tem que ser feito com calma, e será demorado. Mas os links que o Pedrini colocou ajudam e muito.

      Abraços

      Excluir
  31. Estes estudos de caso são uma ótima forma de se entender como funcionam os juros compostos aliados ao investimento de longo prazo na renda variável.

    Excelente trabalho, AdP! Acredito que depois de ter feito estes dois estudos muita gente entendeu a importância da constância dos aportes e também a importância da escolha por boas empresas. Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Pedrini, obrigado por apreciar a postagem. Dá um trabalhinho fazê-las, mas é sempre legal ver o resultado.

      Abraços

      Excluir
  32. Olá Adp! excelente. Aprendo muito com o seu blog, bom trabalho!

    ResponderExcluir
  33. olá ALDP Amigo adorei seu post.. muito informativo e muito bem fundamentado, parabéns cara.
    Deixa eu lhe perguntar algo? Hoje a Souza Cruz na sua opinião merece ainda atenção, pois a mesma é solida, tem uma ótima governança cooperativa, porém ano a ano vem vendendo menos e consequentemente lucrando menos. mesmo assim você acha sempre visando a longo prazo principalmente a quem vai ingressar no mercado financeiro que deva ter ela na carteira. aguardo resposta, obrigado, RGR.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu considero a Souza Cruz uma empresa sólida, mas a acho cara. Seu preço, na minha opinião, estaria adequado em empresas com potencial de crescimento. Apesar de seu um mero investidor, não enxergo um grande potencial de crescimento na empresa.
      Considero sua clientela a 2ª mais fiel que existe, mas não aceitaria isso como uma justificativa para pagar o preço atual.
      Lembrando que isso é apenas a minha opinião.

      Abraços

      Excluir
  34. e a Cemig em seu modo de ver, o mercado precificou a ação, ela de fato estaria barata para comprar?
    ou pode cair ainda mais, eu acredito que a mesma tem potencial de crescimento tanto no valor da ação quanto em seu portfolio, "eólica, solar", lembrando sempre a visão de longo prazo. Pois afinal ninguém vive sem energia. Rodrigo RGR.

    ResponderExcluir
  35. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  36. Muito legal seu post! Só acho que R$ 1.000,00 pode não ser a realidade pois esses R$1.000,00 hoje seriam quase R$ 3.500,00 se colocarmos a inflação. Não seria mais interessante fazer a simulação com R$ 300,00 que equivale a R$ 1.000,00 de hoje?

    ResponderExcluir
  37. Muito bom o post! Só acho que investir R$ 1.000,00 no trimestre, se atualizarmos pela inflação, quivale a investir R$ 3.500,00 por trimestre, ou seja mais de R$ 1.000,00 por mês. Acho isso irreal para a maioria dos assalariados com 5 anos de carreira.. Não seria melhor colocar R$ 3500,00 por trimestre no início, o que equivale a R$ 300,00 por mês nos valores de hoje?

    ResponderExcluir

Anônimos, contribuem e deixem um nome para que seja possível outras pessoas fazerem referências, estabelecendo melhor a troca de ideias. Educação é sempre bem vista.
Mensagens de trolls serão moderadas.